Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.742,98
    -2.761,25 (-5,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Índia pede à Opep+ que aumente oferta para conter alta nos preços do petróleo

Nidhi Verma
·2 minuto de leitura

Por Nidhi Verma

NOVA DÉLHI (Reuters) - A Índia pediu que a Opep e produtores aliados diminuam cortes de oferta de petróleo, uma vez que a alta dos preços da commodity tem impactado a demanda por combustível no país, terceira maior economia da Ásia, pressionando a inflação, disse nesta quarta-feira o ministro indiano do petróleo, Dharmendra Pradhan.

"Os consumidores indianos que são sensíveis a preços são afetados pelo crescente valor dos derivados de petróleo", disse o ministro, em posicionamento que vem poucos dias antes de um encontro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados para discussão de políticas.

Os preços do petróleo têm sido apoiados nas últimas semanas pelos cortes de oferta do grupo de produtores, conhecido como Opep+, e por esperanças de retomada da demanda com as vacinas contra Covid-19.

Os preços de varejo da gasolina e do diesel na Índia, que têm pesados impostos, tocaram máximas recorde devido ao recente salto nas cotações globais do petróleo.

A Índia, terceira maior consumidora e importadora de petróleo do mundo, atende mais de 84% de sua demanda por meio de importações.

A demanda por gasolina no país, que havia se recuperado para níveis pré-Covid em agosto, caiu nas duas primeiras semanas de fevereiro, enquanto o ritmo de redução na demanda por diesel aumentou para uma máxima de seis meses, segundo dados preliminares de vendas do setor.

Além do impacto sobre a demanda por combustíveis, os maiores preços do petróleo poderiam potencialmente afetar o crescimento econômico em países em desenvolvimento incluindo a Índia, disse o ministro do país.

"Os preços do petróleo em alta nas últimas semanas têm prejudicado a frágil retomada da economia global, devido à significativa contração na demanda, que pode até refletir o impacto da Covid-19 em seus primeiros estágios."

Pradhan disse que a Índia tem conseguido conter a pressão inflacionária em diversas frentes, "mas não naquelas impactadas pelos preços do petróleo".

No mês passado, a Índia já havia culpado cortes voluntários de produção de petróleo da Arábia Saudita pelo aumento nos preços.

O ministro indiano disse que a recuperação da demanda deveria ser priorizada ante os preços ao menos nos próximos meses. "Estou apelando por uma diminuição nos cortes de produção dos principais países exportadores", afirmou ele.