Mercado abrirá em 4 h 37 min
  • BOVESPA

    107.378,92
    +1.336,45 (+1,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.267,20
    +362,14 (+0,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    43,53
    +0,47 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.828,20
    -9,60 (-0,52%)
     
  • BTC-USD

    18.380,29
    +47,78 (+0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    368,44
    +7,02 (+1,94%)
     
  • S&P500

    3.577,59
    +20,05 (+0,56%)
     
  • DOW JONES

    29.591,27
    +327,79 (+1,12%)
     
  • FTSE

    6.333,84
    -17,61 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    26.518,89
    +32,69 (+0,12%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.970,25
    +65,00 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4475
    +0,0072 (+0,11%)
     

Índia espera rápido aumento no consumo de etanol; Tailândia, nem tanto

Por Marcelo Teixeira
·2 minuto de leitura
Colheita de cana-de-açúcar no Estado do Rajastão, Índia
Colheita de cana-de-açúcar no Estado do Rajastão, Índia

Por Marcelo Teixeira

NOVA YORK (Reuters) - A produção e o consumo de etanol da Índia, terceiro maior mercado de combustíveis do mundo, deve aumentar rapidamente nos próximos anos, à medida que o governo se esforça para elevar as misturas do biocombustível no país, disse uma autoridade do setor nesta segunda-feira.

Abinash Verma, diretor-geral da Associação de Usinas de Açúcar da Índia (ISMA, na sigla em inglês), disse que as usinais do país deverão aumentar a produção de etanol de 1,9 bilhão de litros em 2020 para 3 bilhões de litros em 2021, visando cumprir a meta do governo de adicionar 10% do biocombustível à gasolina até 2022. Isso exigiria um volume de 5,5 bilhões de litros de etanol.

"O governo está muito interessado no programa de etanol, vai ajudar a desenvolver a capacidade de produção", afirmou Verma em uma apresentação na Datagro International Sugar & Ethanol Conference.

A Índia é a quinta maior produtora de etanol do mundo, atrás somente dos Estados Unidos, Brasil, China e Canadá. O país vê o programa para o aumento da mistura do biocombustível como uma forma de reduzir os custos com importações de petróleo, elevar os preços internacionais do açúcar e ajudar a reduzir as emissões de carbono nas grandes cidades.

Verma disse que o aumento na produção de etanol ajudaria o país a diminuir seus excedentes de açúcar. As exportações do adoçante representam um custo elevado para o governo, devido aos subsídios concedidos à indústria para tornar esses embarques competitivos.

O membro da ISMA disse que o governo deseja avançar para uma mistura de 20% de etanol até 2030, o que exigiria de 10 bilhões a 11 bilhões de litros do biocombustível por ano. Verma afirmou que haverá financiamento público para que as companhias ampliem a capacidade de produção.

A Tailândia, outra grande produtora de açúcar e etanol, também está elevando a mistura, mas o país reduziu sua meta de longo prazo por projetar que o papel dos veículos elétricos vá aumentar.

Pipat Suttiwisedsak, presidente da associação de produtores de etanol KTBE, disse na conferência que a Tailândia reduziu a meta para a mistura de 11,3 milhões de litros por dia para 7,5 milhões de litros por dia.

Mas considerando que o consumo atual de etanol é de cerca de 4,45 milhões de litros por dia, ainda há espaço para crescimento, acrescentou Suttiwisedsak.