Mercado abrirá em 3 h 12 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,21
    -0,45 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.803,50
    +4,70 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    60.415,32
    +1.498,37 (+2,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.456,34
    -17,99 (-1,22%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.225,21
    -28,06 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.640,00
    +52,75 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4511
    +0,0264 (+0,41%)
     

Índia diz que Biden está de acordo em vigiar papel do Paquistão no Afeganistão

·2 minuto de leitura
O presidente americano, Joe Biden, se reúne com o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, no Salão Oval (AFP/Jim WATSON)

A Índia disse nesta sexta-feira (24) que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e outros líderes concordaram em vigiar de perto o Paquistão e acrescentou que seu rival histórico tem sido um "instigador" de problemas no Afeganistão.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, celebrou sua primeira reunião presencial com Biden e depois participou de uma cúpula dos países "Quad" com líderes da Austrália e do Japão.

Durante a conversa, Modi compartilhou suas preocupações sobre o extremismo no Afeganistão depois da tomada do poder pelos talibãs no mês passado, disseram funcionários indianos.

"Havia uma sensação clara de que deve se manter um olhar mais cuidadoso e um exame e um acompanhamento mais cuidadosos sobre o papel do Paquistão no Afeganistão, o papel do Paquistão no tema do terrorismo", disse o ministro das Relações Exteriores, Harsh Vardhan Shringla, aos jornalistas após conversas na Casa Branca.

A Índia foi um dos partidários mais entusiastas do governo pró-ocidental no Afeganistão, que colapsou no mês passado quando Biden retirou as tropas americanas presentes ali por 20 anos.

O Paquistão foi o principal patrocinador do regime talibã entre 1996 e 2001, que impôs uma interpretação altamente estrita do Islã e deu as boas-vindas à rede Al Qaeda, o que levou à invasão americana após os atentados de 11 de setembro de 2001.

Neste conflito, o Paquistão apoiou rapidamente os Estados Unidos, seu aliado na Guerra Fria, mas funcionários americanos têm acusado há tempos os poderosos serviços de Inteligência de Islamabad de manter o apoio aos talibãs, em parte devido às preocupações paquistanesas sobre a influência indiana no Afeganistão.

Os Estados Unidos, no entanto, acolheram publicamente os esforços do Paquistão, inclusive sua ajuda para levar os talibãs às frustradas negociações em última instância com o governo afegão deposto.

À margem da Assembleia Geral da ONU, o secretário de Estado americano, Antony Blinken, agradeceu nesta quinta ao Paquistão por ajudar os cidadãos americanos a sair do Afeganistão.

Seu contraparte paquistanês, Shah Mahmood Qureshi, prometeu trabalhar para "alcançar nosso objetivo comum".

O governo nacionalista hindu de Modi mantém relações tensas com o Paquistão, a quem acusa de fomentar ataques em solo indiano, embora no começo deste ano tenha pedido relações cordiais com seu colega, Imran Khan.

sct/md/ag/yow/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos