Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,27
    -0,19 (-0,30%)
     
  • OURO

    1.766,40
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    63.208,28
    +263,60 (+0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.396,93
    +15,98 (+1,16%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.009,50
    -4,50 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7205
    -0,0006 (-0,01%)
     

Índia atrasa envio de vacina da Astra ao Reino Unido: Fontes

Suzi Ring
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Uma remessa atrasada da Índia com a vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca está por trás do corte de suprimentos do Reino Unido a partir do fim deste mês, segundo uma pessoa com conhecimento da situação.

As doses da vacina fabricadas por um dos parceiros da Astra, o Serum Institute of India, sofreram atraso, disse a pessoa, que não quis ser identificada. O atraso está relacionado à permissão do governo indiano para a exportação das doses ao Reino Unido, de acordo com outra pessoa com conhecimento do assunto.

O Serum Institute enfrenta pressão para priorizar a Índia e outros países com extrema necessidade de vacinas, disse o CEO da empresa no início desta semana. Devido ao atraso, o governo britânico passou a oferecer as doses restantes para pessoas com maior risco de desenvolver casos graves de Covid-19.

O Serum Institute já forneceu vacinas ao Reino Unido neste trimestre e deve entregar 10 milhões das 100 milhões de doses totais do Reino Unido, disse uma fonte.

Em carta aos centros de saúde, o Serviço Nacional de Saúde (NHS, na sigla em inglês) não ofereceu detalhes, dizendo que a escassez era resultado da redução das “vacinas nacionais recebidas”.

O Reino Unido anunciou um novo marco na quarta-feira: mais de 25 milhões de pessoas já receberam a primeira dose das vacinas desenvolvidas pela Pfizer e BioNTech ou pela Astra e Universidade de Oxford. O número equivale a cerca de metade da população adulta do Reino Unido.

Segundas doses

Adar Poonawalla, diretor-presidente do Serum Institute, disse que os países têm segurado suprimentos e restringido o acesso aos materiais necessários para aumentar a produção. A empresa foi orientada a priorizar os suprimentos para a Índia e alguns outros países com alto índice da doença, disse em entrevista à Bloomberg na quarta-feira.

A empresa responde pelo fornecimento de mais da metade das vacinas usadas até agora no programa Covax, apoiado pela OMS, que visa o acesso equitativo às vacinas no mundo todo.

A Astra não quis comentar sobre o atraso. A empresa disse na quarta-feira que a “cadeia de suprimento doméstico do Reino Unido não enfrenta nenhuma interrupção e não há impacto em nosso cronograma de entrega”.

O governo respondeu ao corte dizendo que agora se concentra no fornecimento de segundas doses para pessoas mais vulneráveis e grupos prioritários que ainda não se vacinaram.

Um porta-voz do Departamento de Saúde e Assistência Social do Reino Unido disse que o número de vacinações realizadas irá variar de acordo com a oferta, mas que o país continua no prazo de oferecer a primeira dose para pessoas com mais de 50 anos até meados de abril e a todos os adultos até o final de julho.

Serum e o governo indiano não responderam de imediato aos pedidos de comentários.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.