Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,28
    +0,21 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.801,30
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    34.697,86
    +671,00 (+1,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,82 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.109,75
    +11,75 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1222
    +0,0006 (+0,01%)
     

Índia é nova esperança para investidores do setor de tecnologia

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A semana passada foi um divisor de águas para startups de tecnologia na Índia, quando uma onda recorde de captação de fundos desviou a atenção para o segundo mercado mais populoso do mundo, justo quando investidores começavam a ficar assustados com a repressão às empresas de Internet na China.

O aplicativo de entrega de comida Zomato se tornou o primeiro unicórnio do país a estrear na bolsa ao levantar US$ 1,3 bilhão com o apoio do Morgan Stanley, Tiger Global e Fidelity Investments. A controladora da startup de pagamentos digitais Paytm apresentou um plano de prospecto para o que poderia ser o maior IPO da Índia, de US$ 2,2 bilhões, enquanto a varejista Flipkart Online Services captou US$ 3,6 bilhões com um valuation de US$ 38 bilhões, uma rodada de financiamento recorde para uma startup indiana.

“Os empreendedores indianos vêm construindo startups discretamente há uma década, a infraestrutura de Internet do país melhorou nesse período e há um apetite muito bom por ações de tecnologia em todo o mundo”, disse Hans Tung, sócio-gerente da GGV Capital, com sede no do Vale do Silício, que administra US$ 9,2 bilhões em ativos. “Os investidores estão começando a ver o lado positivo e esperam que a Índia seja uma China.”

A Lenskart, uma varejista online de óculos, também disse na segunda-feira que levantou US$ 220 milhões com investidores, incluindo da Temasek Holdings, de Singapura, e da Falcon Edge Capital. A empresa já havia recebido investimentos anteriormente da KKR e do SoftBank.

Ao contrário da China, onde o uso da Internet é muito mais desenvolvido, muitos dos 625 milhões de usuários da Índia estão apenas começando a entrar no mundo do streaming de vídeo, redes sociais e comércio eletrônico. As oportunidades de compras online são particularmente atraentes, já que o comércio eletrônico representa menos de 3% das transações de varejo. As startups de tecnologia na Índia ainda estão investindo para desenvolver uma cadeia de suprimentos e redes de distribuição.

A população da Índia deve ultrapassar a da China nesta década e o clima agora entre investidores não poderia ser mais diferente sobre as nações vizinhas. A China aumenta o escrutínio de empresas de tecnologia, o que eliminou US$ 800 bilhões em valor de mercado de um pico de fevereiro e encolheu as fortunas de seus empresários mais famosos.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos