Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.794,28
    -1.268,26 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,58
    -0,03 (-0,04%)
     
  • OURO

    1.751,90
    -42,90 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.278,65
    -785,07 (-1,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.210,39
    -22,90 (-1,86%)
     
  • S&P500

    4.473,75
    -6,95 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.751,32
    -63,07 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.027,48
    +10,99 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.502,00
    -2,00 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1889
    -0,0071 (-0,11%)
     

Ímã capaz de erguer um porta-aviões ajudará a criar Sol artificial

·3 minuto de leitura

Cientistas que trabalham em reatores de fusão nuclear estão um pouco mais perto de realizar o sonho da energia limpa e virtualmente infinita. Isso graças aos novos recordes estabelecidos por duas equipes, de diferentes continentes, na fabricação dos ímãs supercondutores de alta temperatura mais poderosos da Terra.

Uma das iniciativas a anunciar o novo marco foi do experimento International Thermonuclear Experimental Reactor (ITER), um reator que utiliza a tecnologia Tokamak, no sul da França. Eles receberam a primeira parte de um ímã tão forte que, segundo o fabricante, pode levantar um porta-aviões. Quando estiver totalmente montado, terá quase 20 metros de altura e mais de quatro metros de diâmetro.

O outro ímã poderosíssimo foi anunciado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts. De acordo com os cientistas, o novo ímã permitiria à equipe estadunidense ultrapassar o ITER na corrida para construir um “Sol” na Terra. A equipe europeia afirma que o ITER está 75% concluído e seu reator deve ser ligado no início de 2026.

Para que esses reatores funcionem, são necessários ímãs para conduzir e confinar o plasma quente dentro de um aparato semelhante a uma rosquinha gigante. Plasmas são gases tão quentes que os elétrons são arrancados dos núcleos atômicos, o que transforma os átomos em íons. Os campos elétricos e magnéticos controlam esses íons e elétrons porque eles têm cargas elétricas. Em temperaturas altas o suficiente, os íons podem superar as forças eletrostáticas repulsivas que existem entre si e se fundir.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Nesse processo de fusão nuclear, uma grande quantidade de energia é liberada — quando dois núcleos leves se fundem, a massa do núcleo produzido é menor que a soma das massas dos núcleos iniciais. A equação de Einstein E=mc² nos mostra que a massa perdida é convertida em energia, por isso a cadeia de incontáveis fusões nucleares resulta em energia capaz de alimentar cidades inteiras.

Entretanto, para manter o plasma aquecido a temperaturas mais elevadas que o núcleo solar, os reatores experimentais ainda gastam mais energia do que produzem. O objetivo final é reverter este quadro e produzir dez vezes mais energia do que o necessário para aquecer o plasma, até 2035. Para isso, o campo magnético é fundamental, por isso os ímãs gigantes foram celebrados pelos cientistas de seus respectivos reatores.

A equipe de Massachusetts afirmou ter conseguido criar um campo magnético duas vezes maior que o do ITER, com um ímã cerca de 40 vezes menor. Mas apesar dessa “corrida”, o esforço para dominar a tecnologia de fusão nuclear que imita as estrelas é mundial e a competição é “saudável”. Afinal, muitas nações contribuíram com o custo de US$ 20 bilhões do projeto ITER, incluindo os EUA.

O preço pago para o desenvolvimento dessa tecnologia pode parecer alto, mas não deve ser um empecilho, considerando que a energia de fusão nuclear pode representar uma parte da solução dos problemas ambientas e de mudanças climáticas. Além disso, todas as nações que contribuíram com o ITER receberão o retorno dos resultados científicos, mesmo que o reator fracasse em seu principal objetivo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos