Mercado fechará em 4 h 45 min
  • BOVESPA

    111.730,64
    -2.082,23 (-1,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.533,53
    -196,27 (-0,40%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,67
    +0,17 (+0,19%)
     
  • OURO

    1.762,90
    -8,30 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    21.344,56
    -2.055,88 (-8,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    506,78
    -34,82 (-6,43%)
     
  • S&P500

    4.226,27
    -57,47 (-1,34%)
     
  • DOW JONES

    33.702,22
    -296,82 (-0,87%)
     
  • FTSE

    7.552,89
    +11,04 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,81 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.267,75
    -255,50 (-1,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2346
    +0,0208 (+0,40%)
     

É preciso monitorar a varíola dos macacos em animais, diz Ministério da Ciência

Marcelo Morales, o Secretário de Pesquisa e Formação Científica do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) afirmou, nesta segunda-feira (1) que sua pasta deve monitorar e pesquisar acerca da varíola dos macacos, condição que tem gerado surtos por todo o mundo e causou a primeira morte de um paciente no Brasil na semana passada.

Em entrevista ao iG, Morales comentou sobre o orçamento de sua pasta, os insumos recebidos e a intenção de fabricar testes para a presença do vírus, além dos planos para imunizantes. Ele também comentou sobre a criação e importância da Rede Vírus.

Chamada atualmente de Câmara POX e voltada ao enfrentamento da varíola dos macacos, ela foi criada para lidar com a crise gerada pelo SARS-CoV-2 no país, e permitiu que os pesquisadores já pudessem lidar com a varíola dos macacos sendo experientes no enfrentamento de uma pandemia.

A varíola dos macacos começou a causar a morte de pacientes em países não-endêmicos recentemente (Imagem: Dr. Noble/CDC)
A varíola dos macacos começou a causar a morte de pacientes em países não-endêmicos recentemente (Imagem: Dr. Noble/CDC)

Testes, vacinas e emergências

Segundo o Secretário, a prioridade no momento é desenvolver testes e estoques vacinais e avaliar o estado imunológico dos brasileiros, além de monitorar o espalhamento da doença. É necessário, por exemplo, observar e determinar se é possível a contaminação de animais silvestres e domésticos pelo vírus, o que teria o potencial de gerar crises muito piores.

Com micrografia eletrônica, pesquisadores brasileiros vêm procurando saber a estrutura do vírus, seu comportamento celular e o que causa sua transmissão no Brasil. De acordo com Morales, a vacina contra a varíola dos macacos já existe, então não cabe ao país produzir sua própria, mas sim importar insumos para fazer testes RT-PCR e padronizar a testagem.

As vacinas contra a varíola dos macacos já são eficientes e eficazes, e só serão adquiridas pelo Brasil em caso de necessidade (Imagem: James Gathany/CDC)
As vacinas contra a varíola dos macacos já são eficientes e eficazes, e só serão adquiridas pelo Brasil em caso de necessidade (Imagem: James Gathany/CDC)

Caso o espalhamento do vírus cresça muito, teremos de controlar a transmissão com vacinação em massa, mas isso não é necessário no momento, segundo o entrevistado. O MCTI, no momento, tem uma verba de R$ 3 milhões para a pesquisa que engloba a varíola dos macacos, que pode ser otimizada em outros campos do conhecimento.

O prazo para os estudos acerca do vírus são de 24 meses, mas o Secretário lembra que todos os novos conhecimentos adquiridos já são incorporados ao sistema: essa implementação em tempo real também aconteceu com a covid-19, e é comum em situações de emergência. Embora o RT-PCR seja o teste mais eficaz no momento, estão sendo estudados testes mais rápidos, o que pode ajudar o Sistema Único de Saúde (SUS) e o Ministério da Saúde.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos