Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.612,11
    -184,19 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,93
    -3,02 (-4,32%)
     
  • OURO

    1.774,00
    -11,20 (-0,63%)
     
  • BTC-USD

    57.336,01
    -965,86 (-1,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.465,75
    +22,98 (+1,59%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.059,45
    -50,50 (-0,71%)
     
  • HANG SENG

    23.475,26
    -376,98 (-1,58%)
     
  • NIKKEI

    27.821,76
    -462,16 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.224,25
    -166,50 (-1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3482
    +0,0190 (+0,30%)
     

É possível morrer de medo? Literalmente?

·2 min de leitura

Expressões como "quase morri de susto" ou "estou morrendo de medo" são comuns no nosso vocabulário. Mas você já parou para pensar se essa é uma possibilidade mesmo? Afinal... dá para morrer de medo? Especialistas afirmam que sim, mas há algumas coisas a se ponderar.

De acordo com Dr. Martin Samuels, neurologista e diretor do programa de Neurociência Interdisciplinar do Brigham and Women’s Hospital (EUA), há evidências de que uma pessoa pode morrer de medo sob circunstâncias muito específicas. Sob o ponto de vista do especialista, existem basicamente duas maneiras de morrer de medo.

Se a pessoa tiver problemas cardíacos, hipertensão ou for fumante, as chances de morrer de um choque repentino, de um ataque cardíaco ou de um derrame aumentam. Nesse caso, segundo o especialista, a causa da morte é uma grande onda de adrenalina do cérebro. O coração bate mais rápido, as pupilas se dilatam e o sangue flui para os músculos, tudo em uma tentativa de escapar do perigo.

(Imagem: mart production/pexels)
(Imagem: mart production/pexels)

Um influxo repentino de adrenalina no coração pode causar uma condição perigosa chamada fibrilação ventricular, em que o coração estremece em vez de bater corretamente e o sangue não é bombeado pelo corpo. Isso pode ser fatal por si só, mas é especialmente perigoso quando combinado com outro efeito do aumento do hormônio: a liberação de cálcio no coração, o que faz com que o músculo cardíaco se contraia fortemente, sem conseguir relaxar, levando à inconsciência.

A segunda maneira de morrer de medo envolve uma condição chamada cardiomiopatia de Takotsubo, em que um choque repentino causa insuficiência cardíaca. Sob adrenalina, o coração para de bombear corretamente. A cardiomiopatia de Takotsubo é rara, mas pode atingir qualquer pessoa, e os pesquisadores estudam até hoje para compreender totalmente essa causa de morte. A conclusão é que morrer de medo pode ser raro, mas está longe de ser apenas uma expressão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos