Mercado abrirá em 4 h 50 min
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,40
    -0,56 (-0,68%)
     
  • OURO

    1.776,60
    +6,10 (+0,34%)
     
  • BTC-USD

    63.874,82
    +1.746,07 (+2,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.479,12
    +15,76 (+1,08%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    26.086,19
    +298,98 (+1,16%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.374,25
    -24,25 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5114
    +0,0152 (+0,23%)
     

'É para dar uma folga' nas contas públicas, diz Mourão sobre aumento do IOF, que entra em vigor hoje

·2 minuto de leitura

Brasília— O presidente da República em exercício, general Hamilton Mourão, comentou a entrada em vigência, a partir desta segunda-feira, do aumento da alíquota do IOF, o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, que irá se estender até 31 de dezembro deste ano.

Para Mourão, a arrecadação adicional de R$ 2,1 bilhões que esse reajuste irá proporcionar, e que será destinado ao pagamento do benefício do novo Bolsa Família, não é tão expressiva e será usada mais para dar uma "folga" nas contas.

— O que pude entender é até o final do ano (a vigência do reajuste). Essa arrecadação não é tão expressiva assim. De R$ 2 bilhões. É mais para dar uma folga nas manobras que estão sendo feitas. O presidente mesmo comentou ontem que muita gente está desempregada, tem muita gente sem perspectiva. Compete ao governo auxiliar — disse Mourão.

O general afirmou que Jair Bolsonaro não deixou qualquer incumbência específica para ele. Mourão acrescentou que irá se reunir com o ministro da Economia, Paulo Guedes, que suspendeu a ida aos Estados Unidos, para tratar de alguns assuntos da área, mas não disse quais.

Sem uma solução para o impasse dos precatórios (dívidas judiciais das quais a União não pode mais recorrer) e sem espaço no Orçamento em razão da alta da inflação, o governo decidiu aumentar imposto para bancar a nova versão do Bolsa Família.

O presidente Jair Bolsonaro editou decreto, na semana passada, que eleva a alíquota do IOF de pessoas físicas e empresas para levantar parte dos recursos necessários para o Auxílio Brasil.

A medida deve tornar o crédito mais caro no paísO governo quer iniciar o programa que reformula e amplia o Bolsa Família logo após o fim do Auxílio Emergencial, em outubro, mas faltava apontar a fonte dos recursos.

O aumento da alíquota do IOF neste ano atende a exigência da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para indicação de fonte de compensação para uma elevação de despesa. O montante de que será direcionado ao novo Bolsa Família permitirá o pagamento de um benefício médio de R$ 300 a cerca de 17 milhões de famílias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos