Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.353,05
    -76,24 (-0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

É oficial: ciência diz que as avós nos fazem bem

·4 min de leitura
Uma avó carrega sorridente sua neta no sul da China (AFP/PETER PARKS)

Os cientistas dizem que demonstraram o que muitas pessoas que tiveram a sorte de crescer com suas avós sempre souberam: as mães de nossos pais têm fortes instintos parentais e são predispostas a se preocupar, profundamente, com seus netos.

Um novo estudo divulgado na Royal Society B na terça-feira (16) é o primeiro a fornecer uma visão neural deste precioso vínculo intergeracional.

Usando imagens de ressonância magnética funcional, os pesquisadores da Emory University, no estado americano da Geórgia, escanearam os cérebros de 50 avós expostas a imagens de seus netos, que tinham entre três e 12 anos de idade.

Como forma de controle, também viram fotos de crianças desconhecidas, de um pai adulto do mesmo sexo que seus netos e de um adulto desconhecido.

"As áreas do cérebro que estão envolvidas na empatia emocional foram capturadas, e também as áreas do cérebro que estão envolvidas na simulação e na preparação de movimentos motores", disse à AFP James Rilling, antropólogo e neurocientista que liderou o estudo.

"Quando veem as fotos dos netos, elas sentem realmente o que o neto está sentindo. Então, quando a criança está expressando alegria, elas sentem aquela alegria. Quando a criança está expressando sofrimento, elas sentem esse sofrimento", acrescentou.

As mesmas regiões motoras do cérebro também são ativadas nos cérebros das mães, e acredita-se que estejam relacionadas ao instinto de segurar, ou de se aproximar, e interagir com uma criança.

Já quando as avós viam imagens de seus filhos adultos, houve uma ativação mais forte de regiões cerebrais relacionadas à empatia cognitiva - que busca entender o que uma pessoa está pensando, ou sentindo, e por que, sem muito envolvimento emocional.

Isso, de acordo com Rilling, pode estar relacionado à aparência fofa das crianças, que os mais jovens de muitas espécies compartilham para ativar respostas de cuidado.

- Primeiro do tipo -

Ao contrário de outros primatas, os humanos são "criadores cooperativos", o que significa que as mães recebem ajuda para criar seus filhos.

Rilling, que já havia conduzido estudos semelhantes sobre pais, quis voltar sua atenção para as avós para explorar uma teoria antropológica conhecida como a "hipótese da avó".

Essa hipótese estabelece que a razão evolutiva, pela qual as mulheres humanas tendem a viver uma vida longa - muito além de seus próprios anos reprodutivos -, é para fornecer bem-estar para seus filhos e netos.

Evidências que sustentam essa hipótese foram encontradas em sociedades que incluem os Hadza, um grupo de caçadores-coletores do norte da Tanzânia. Nele, as avós alimentavam seus netos com tubérculos nutritivos.

O efeito também foi observado em outras espécies, como elefantes ou orcas, que, como os humanos - mas ao contrário da grande maioria dos mamíferos -, também passam pela menopausa.

"Esta é realmente a primeira olhada no cérebro da avó", disse Rilling, explicando que os estudos com varreduras cerebrais em pessoas mais velhas geralmente se concentram na investigação de doenças como Alzheimer.

As avós, da região de Atlanta, na Geórgia, e de origens econômicas e raciais diversas, também preencheram uma série de questionários.

E as avós que relataram maior desejo de se envolver nos cuidados tiveram maior atividade nas regiões cerebrais de interesse.

Finalmente, ao comparar este novo estudo com os resultados de seu trabalho anterior com os pais, Rilling descobriu que, em geral, as avós ativavam regiões relacionadas à empatia emocional e à motivação de forma mais intensa.

A cientista garantiu, no entanto, que essa descoberta é apenas uma média e não se aplica, necessariamente, a todos os indivíduos.

Rilling também entrevistou cada uma das participantes para ter uma ideia dos desafios e recompensas de ser avó.

"De forma consistente, o desafio que mais surgiu foi a divergência de opiniões com os pais sobre a forma de criar os netos, seus valores e a luta constante em seu manter afastada sobre essas questões", disse.

Pelo contrário, e "com isso a gente brinca, mas muitas delas falaram como se pode retribuir aos netos, porque não é um trabalho de tempo integral".

Muitas avós sentiram que podiam estar mais presentes agora que estão aliviadas da pressão, em termos de tempo e de finanças, que sentiam quando estavam criando seus próprios filhos.

"Muitas delas disseram que gostavam mais de ser avós do que de serem mães", completou.

ia/caw/dw/lda/lm/mr/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos