Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,65 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,32
    +0,05 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.858,60
    +2,40 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    32.637,53
    +159,55 (+0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    667,03
    +57,04 (+9,35%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,02 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.733,92
    +102,47 (+0,36%)
     
  • NASDAQ

    13.442,25
    +80,75 (+0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6547
    +0,0027 (+0,04%)
     

É mais fácil mulheres virarem chanceler do que CEO na Alemanha

Raymond Colitt
·4 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Alemanha, cuja chanceler Angela Merkel é a chefe de Estado há mais tempo no cargo no mundo, tem um dos piores registros de promoção de mulheres nos negócios na Europa. O projeto de lei de cotas - que pede às empresas que tenham pelo menos uma mulher em seus conselhos de administração - aumentará a participação de mulheres executivas para cerca de 15%, elevando a classificação da Alemanha do 24º lugar para perto do 17º entre os 27 países membros da União Europeia, de acordo com o Boston Consulting Group.

“Não acredito que isso vá criar o impacto que você deseja”, disse em entrevista Maria Ferraro, diretora financeira da Siemens Energy e entre as poucas mulheres de destaque na Alemanha corporativa. “Um indivíduo que é diferente não resolve, embora seja um progresso.”

O projeto, que será apresentado ao gabinete nos próximos dias, exige que conselhos com quatro ou mais membros tenham pelo menos uma mulher. Mas como não exige nada de conselhos com menos de quatro membros ou daqueles que já têm uma executiva, isso afetaria apenas cerca de 30 das 107 maiores empresas do país.

A proporção de mulheres em conselhos executivos nas 30 maiores empresas listadas da Alemanha caiu 1,9 ponto percentual neste ano para 12,8%, em comparação com 28,6% nos EUA, segundo a Allbright Foundation, que promove a diversidade na gestão. Cerca de um terço das 100 maiores empresas da Alemanha não tem mulheres em seus conselhos de administração.

No entanto, das 100 maiores empresas listadas, as 30 com maior diversidade de gênero superaram o índice DAX de referência em mais de dois pontos percentuais. E se a Alemanha corporativa não aderir à diversidade de gestão de forma mais completa, corre o risco de prejudicar sua vantagem competitiva, adverte Ferraro.

Em 2001, sob o comando do então chanceler Gerhard Schroeder, os líderes empresariais se comprometeram a fazer mais, mas fizeram pouco. Uma lei de 2015 instou as maiores empresas listadas do país a indicar 30% das mulheres para seus conselhos de supervisão, deixando intocados os poderosos conselhos de administração de tomada de decisões.

Em maio do ano passado, discursando para uma sala cheia de mulheres empresárias em Berlim, Merkel mal conseguia esconder sua frustração com o número de empresas alemãs sem presença feminina no conselho executivo. Ela caracterizou isso como “uma atitude de recusa”.

Ainda não está claro quais serão as penalidades para as empresas que não cumprirem a cota do projeto, que também deixa outras métricas de igualdade de gênero intocadas. Com cerca de 20%, a Alemanha tem a segunda pior disparidade salarial entre homens e mulheres na UE, atrás da Estônia. Além disso, nenhuma das 30 maiores empresas do país tem uma diretora executiva mulher.

Uma mulher “pode se tornar chanceler na Alemanha, mas não uma CEO”, disse Wiebke Ankersen, diretor-gerente da Allbright. Embora as cotas tenham sido implantadas com sucesso em países como a Noruega e a França para melhorar o equilíbrio de gênero, os legisladores e a opinião pública na Alemanha têm exercido menos pressão por mudanças.

Não é de surpreender que os esforços das empresas alemãs tenham sido superficiais, disse Monika Schulz-Strelow, chefe de um grupo de defesa de mulheres em conselhos com sede em Berlim chamado Frauen in die Aufsichtsraete, ou Fidar. “Eles cumpriram os requisitos mínimos da lei, mas não mudaram a cultura e a atitude corporativa”, disse ela.

Interesses arraigados perpetuaram antigas estruturas que inibiam as mulheres até de seguir uma carreira, quanto mais alcançar escalões superiores da administração. Isso inclui regras fiscais que penalizam as famílias de dupla renda, creches que ficaram atrasadas em relação a outros países, regras que concedem aos cônjuges que não trabalham benefícios previdenciários gratuitos e uma pensão generosa para as viúvas, diz Jutta Allmendinger, presidente do Centro de Ciências Sociais de Berlim.“Temos um estado de bem-estar que foi construído no século passado e cujos contornos ainda hoje dificultam a independência das mulheres”, diz Allmendinger, integrante de um grupo de mulheres que lançou uma campanha na mídia em outubro a favor do projeto de cotas. “Isso explica o número relativamente pequeno de mulheres com alto nível educacional que rapidamente voltam ao trabalho depois de terem um filho.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.