Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.031,98
    +267,72 (+0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.638,36
    -215,01 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,42
    -0,99 (-1,11%)
     
  • OURO

    1.793,80
    -4,30 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    24.013,62
    -254,09 (-1,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    569,36
    -21,40 (-3,62%)
     
  • S&P500

    4.297,14
    +16,99 (+0,40%)
     
  • DOW JONES

    33.912,44
    +151,39 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.509,15
    +8,26 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.040,86
    -134,76 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    28.833,36
    -38,42 (-0,13%)
     
  • NASDAQ

    13.662,00
    -19,25 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1785
    0,0000 (0,00%)
     

É improvável que estímulo da China reverta colapso dos metais

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Os investidores de commodities que esperam que a China reverta a liquidação nos mercados globais de metais podem se decepcionar, porque Pequim é incapaz de oferecer o tipo de grandes gastos que impulsionaram altas anteriores.

As autoridades chinesas cogitam um plano para permitir que governos locais vendam 1,5 trilhão de yuans (US$ 220 bilhões) em títulos especiais no segundo semestre, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. Esse possível aumento nos gastos com infraestrutura ajudou as commodities a reduzirem algumas de suas perdas acentuadas nas últimas semanas.

Embora ondas anteriores de estímulo chinês tenham salvo as commodities industriais de quedas na demanda global – após a crise financeira de 2008, no final de 2015 e, de certa forma, novamente em 2020 – há muito mais cautela desta vez. Os fundos provavelmente serão usados para preencher as lacunas orçamentárias da era Covid e não abordarão o problema maior da demanda por metais: um mercado imobiliário deprimido e um setor manufatureiro ainda em dificuldades.

“Sim, a economia da China vai se recuperar no segundo semestre, mas modestamente” disse Caroline Bain, economista-chefe de commodities da Capital Economics. “Isso é possivelmente um pouco mais positivo para os metais, mas não vemos a China sendo capaz de desencadear um novo rali.”

Os metais básicos tiveram seu pior trimestre desde 2008 nos três meses até junho, e a queda se aprofundou em julho. O cobre caiu brevemente abaixo de US$ 7.500 a tonelada nas negociações intradiárias na semana passada, o menor nível desde o final de 2020, e caiu cerca de 29% em relação ao recorde de março. O minério de ferro caiu cerca de um terço em relação à máxima deste ano, e o alumínio cerca de 40%.

Embora o Goldman Sachs diga que as políticas da China podem eventualmente trazer um fim ao mercado de baixa dos metais, em geral, há cautela nas expectativas de demanda do país que responde por cerca de metade do consumo mundial de tudo, desde zinco a alumínio. A demanda chinesa por cobre terá apenas um pequeno crescimento este ano, segundo a Wood Mackenzie.

“Ainda não vimos nenhuma recuperação da demanda que se esperava após os bloqueios de Covid”, disse Fan Rui, analista da Guoyuan Futures. Os usuários de cobre não estão comprando, o que indica que esperam mais declínios de preço, disse ela.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos