Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.003,86
    +951,08 (+0,76%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.897,79
    +629,34 (+1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,11
    +0,20 (+0,28%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -1,90 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    37.186,27
    +1.898,96 (+5,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    882,74
    -32,74 (-3,58%)
     
  • S&P500

    4.422,30
    +10,51 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    35.144,31
    +82,76 (+0,24%)
     
  • FTSE

    7.025,43
    -2,15 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    26.192,32
    -1.129,66 (-4,13%)
     
  • NIKKEI

    27.833,29
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    15.112,50
    -5,25 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1096
    -0,0007 (-0,01%)
     

'É fala de desesperado', diz deputado que governo pediu para PF investigar

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — Acusado pelo governo de ter feito uma denúncia falsa sobre irregularidades na contratação da vacina Covaxin, o deputado Luis Miranda (DEM-DF) disse que as declarações dadas no Palácio do Planalto mostram "desespero". Segundo o parlamentar, o governo sabe que o caso levado ao presidente Jair Bolsonaro em 20 de março deste ano por ele e seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda está fundamentado em documentos do próprio governo.

Em pronunciamento no Palácio do Planalto, o ministro da Secretaria Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, criticou a conduta do parlamentar e disse que "Deus está vendo" o que ele fez e que agora será investigado pela Polícia Federal.

— Os documentos são internos do Ministério da Saúde. O que a gente fez claramente foi apresentar os documentos que estão no processo de importação do Ministério da Saúde. A fala dele (Onyx) é de quem está desesperado e agora, mais do que nunca, me preocupei. Na minha opinião, ele sabe que tem alguma coisa de errado. A fala do Onyx é de desesperado. Se ele entende um pouquinho — disse o deputado.

O parlamentar prometeu entregar à CPI da Covid todos os documentos de que dispõe sobre a contratação da vacina Covaxin. Ele também levantou suspeito pelo fato de ele e o irmão terem relatado as suspeitas de irregularidade no dia 20 de março e nos dias seguintes novos documentos surgem no processo de negociação para compra da Covaxin. A empresa Precisa, que intermediou a contratação, sustenta que todos os ajustes feitos em documentos depois do dia 20 de março foram para corrigir erros e compatibilizar os dados com o conteúdo do contrato entre o governo e a empresa.

— Nós vamos apresentar tudo. A gente vai no dia 20, cobra no dia 22, cobra no dia 24, passam a ignorar a gente, fazem alteração no sistema do Ministério da Saúde. Será que o presidente em vez de mandar investigar, mandou corrigir os documentos? Eu que estava defendendo o presidente, agora fiquei preocupado — disse o deputado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos