Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.735,01
    -3.050,99 (-2,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.020,05
    -278,15 (-0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,49
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.786,50
    +4,60 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    62.716,40
    -2.897,40 (-4,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.490,65
    -44,00 (-2,87%)
     
  • S&P500

    4.549,78
    +13,59 (+0,30%)
     
  • DOW JONES

    35.603,08
    -6,26 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.190,30
    -32,80 (-0,45%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.768,64
    +60,06 (+0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.405,75
    -73,00 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5797
    -0,0013 (-0,02%)
     

É #FAKE que vacina contra Covid-19 causa impotência em homens

·3 minuto de leitura

Circulam pelas redes sociais diversas mensagens relacionando a vacina contra a Covid-19 com a impotência masculina. Elas são #FAKE.

Médicos ouvidos pelo G1 afirmam que a alegação de que a vacina causa impotência não tem nenhum amparo científico.

"Não conheço nenhum dado científico que estabeleça relação de causa e efeito. Fake", diz o urologista Alberto Antunes, professor Associado de Urologia da Faculdade de Medicina da USP e chefe do setor de Próstata do Hospital das Clínicas (FMUSP).

"Existem evidências de que a infecção pelo Sars-Cov-2, essa sim, pode induzir à disfunção erétil em alguns pacientes. Mas não são estudos que permitam uma estabelecer relação causal. E com relação à vacinação, não conheço nada", complementa.

A farmacêutica Ana Paula Duarte Souza, pesquisadora da Escola de Ciências da Saúde e da Vida da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), afirma que não existe nenhum estudo que comprove a relação entre vacina e impotência. Ela classifica a afirmação como "fake".

Ana Paula lembra que foi realizado um estudo com homens que foram vacinados com a vacina contra a Covid baseada em RNA mensageiro (a da Pfizer é um exemplo).

"Nesse estudo analisaram a contagem de espermatozoides desses indivíduos vacinados antes e depois da vacinação e não tem diferença nenhuma, mostrando então que a afirmação de que a vacina e a impotência masculina estarem relacionadas não é verdadeira", diz.

Ela afirma ainda que existem estudos mostrando a presença do vírus no trato genital masculino de pessoas infectadas, ou seja, pessoas doentes, e não vacinadas. "A vacina previne a infecção e vai prevenir que esses indivíduos tenham o vírus."

A farmacêutica explica que, até o momento, os dados mostram que os benefícios da vacinação são bem maiores que os efeitos raros que a vacina pode causar.

"Os dados demonstram a diminuição do número de casos e de mortes, mostrando a eficácia dessa vacina. Os dados sobre a segurança da vacina continuam sendo monitorados o tempo todo e são levados bem a sério pelas agências reguladoras. E quando necessário é recomendada a suspensão da vacina", diz.

Ela destaca que as vacinas para prevenção do Sars-Cov-2, o vírus que causa a Covid-19, são seguras e atualmente mais de 5 bilhões de pessoas em todo o mundo receberam as doses da vacina, comprovando essa segurança.

Fabiano Ramos, chefe do serviço de infectologia do Hospital São Lucas da PUC-RS e líder do estudo com a Coronavac no estado, também afirma que a alegação de que a vacina causa impotência não tem amparo. "É fake, não há nenhuma evidência sobre isso", diz.

As mensagens falsas na rede multiplicaram após um tuíte da cantora Nicki Minaj nesta semana associando a vacina à impotência nos homens. O barulho foi tanto que o médico Anthony Fauci, considerado o mais importante especialista em doenças infecciosas do país e um dos principais integrantes da força-tarefa criada pela Casa Branca para responder à pandemia, teve de se pronunciar publicamente: "Não há evidências de que isso aconteça nem há qualquer razão para imaginar que isso possa acontecer".

Questionado se há qualquer possibilidade de a vacina causar impotência ou algum problema genital, Fauci foi enfático: "A resposta é um retumbante não".

O boato também foi checado por agências internacionais, como a FactCheck.org.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos