Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,79
    +0,18 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.848,20
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    32.083,99
    -494,34 (-1,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    648,39
    +1,07 (+0,16%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.654,01
    +15,16 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.700,89
    +154,71 (+0,54%)
     
  • NASDAQ

    13.553,50
    +68,00 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5159
    +0,0051 (+0,08%)
     

É #FAKE que imagem mostre madeira extraída ilegalmente por líder de ONG na Amazônia e apreendida pelo Exército

Roberta Pennafort, CBN
·1 minuto de leitura

Circula uma foto em que se veem caminhões enfileirados carregados de toras de árvores. A legenda afirma se tratar de madeira apreendida após ser extraída ilegalmente da Amazônia por um líder de uma organização não governamental (ONG) que atua na região. É #FAKE.

Trata-se de uma foto publicada no começo de 2016 nas redes sociais, e que não foi tirada na Amazônia, e sim em Mato Grosso do Sul no ano anterior, como se verifica pela busca da foto. Era uma doação de madeira para uma igreja na cidade de Cláudia, no interior do estado, e não material apreendido por extração irregular.

A mensagem falsa, compartilhada por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, diz: “O dono de toda essa madeira apreendida, com escolta de caminhões do Exército, pertencia ao fundador da principal ONG de preservação da Amazônia, cabeça do MST no Pará, esquerdista radical, detentor de vários títulos recebidos na Europa, por ser cidadão defensor e protetor do bioma da região. Esse é o Brasil que a maioria não conhece”.

Procurado pela CBN, o Comando Militar da Amazônia informa que não houve tal registro de flagrante. Além disso, a foto não foi identificada como sendo de uma operação realizada pelo Exército na região.

Nos compartilhamentos, os apoiadores de Bolsonaro ecoam falas do presidente, que atacou em várias ocasiões ONGs que atuam para preservar a Amazônia. Ao reagir a dados que mostraram recorde de queimadas, ele chegou a dizer que integrantes das entidades eram os principais suspeitos de atear fogo à floresta.

Em discurso na Cúpula da Biodiversidade da ONU, em setembro, Bolsonaro, sob pressão internacional por conta da relevância mundial da Amazônia, reforçou a falsa narrativa de que ONGs estão por trás dos recorrentes crimes ambientais na região.