Mercado abrirá em 2 h 23 min
  • BOVESPA

    121.241,63
    +892,84 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.458,02
    +565,74 (+1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,39
    +0,03 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.842,90
    +13,00 (+0,71%)
     
  • BTC-USD

    37.235,93
    +794,20 (+2,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    734,09
    -1,06 (-0,14%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.734,04
    +13,39 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    29.642,28
    +779,51 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.914,25
    +112,00 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4102
    +0,0149 (+0,23%)
     

É #FAKE que 56 das 58 zonas eleitorais de São Paulo registraram resultado idêntico e que isso comprova fraude no 1º turno

Roberta Pennafort, CBN
·2 minuto de leitura

Circula nas redes sociais que 56 das 58 zonas eleitorais da cidade de São Paulo tiveram resultado idêntico no primeiro turno, e que isso prova que o pleito foi manipulado. É #FAKE.

Basta abrir o mapa dos resultados por zona eleitoral publicado pelo G1 para conferir as diferenças entre os percentuais de Bruno Covas (PSDB), Guilherme Boulos (PSOL), Márcio França (PSB), Celso Russomanno (Republicanos) e Arthur do Val (Patriota), para ficar apenas nos candidatos citados nas mensagens com conteúdo falso.

Uma das legendas diz: “A prova da fraude em São Paulo”. Outra questiona as probabilidades matemáticas de os candidatos ocuparem exatamente a mesma posição nas diferentes regiões da cidade.

É fato que Covas saiu vitorioso em todas as 58 zonas eleitorais de São Paulo no primeiro turno, mas não que 56 delas tiveram o resultado rigorosamente igual – nem em relação à votação dele nem aos percentuais dos quatro oponentes listados.

As duas zonas onde Boulos não ficou em segundo, Parelheiros e Grajaú, são conhecidos redutos petistas. Não à toa, quem ficou em segundo lugar foi o candidato do PT, Jilmar Tatto. Doria, que venceu em 56 das 58 zonas em 2016, perdeu exatamente nessas duas. Na eleição passada, Marta, ex-prefeita pelo PT, mesmo tendo ficado em quarto no geral, conseguiu vencer nesses dois locais justamente pela identificação com a população.

O percentual de Covas foi maior na 5ª zona (Jardim Paulista): 45% dos votos. No resultado geral, porém, ele ficou com 32,85%, ante 20,24% de Boulos, 13,64% de França, 10,5% de Russomanno e 9,78% de Arthur do Val.

No pé do mapa, é possível perceber que, mesmo próximos, os percentuais nas diferentes zonas destoam. A ordem também não é a mesma nas 56 zonas em que Covas lidera e Boulos aparece em segundo. Na 418ª (Pedreira) e na 421ª (Teotônio Vilela), por exemplo, Tatto aparece na frente de França em terceiro. Na 352ª (Itaim Paulista), é Russomanno quem aparece em terceiro.

Uma outra mensagem falando das parciais divulgadas durante a apuração na cidade também foi desmentida pelo Fato ou Fake.

O TSE refuta os boatos e lembra que sempre deixa públicos os dados brutos sobre o andamento da apuração, com diferentes intervalos, elaborados por seus técnicos: “O TSE esclarece que, após análise dos dados da votação, é possível constatar estabilidade no resultado desde o fechamento das urnas até a conclusão da totalização”.

O tribunal esclarece ainda que “ao final da votação, cada urna eletrônica emitiu um Boletim de Urna (BU), em cinco vias, que contém a quantidade de votos registrados para cada candidato ou partido político. Qualquer pessoa pode solicitar acesso ao documento para conferência dos dados”, diz comunicado.