Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,65 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,32
    +0,05 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.858,70
    +2,50 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    32.764,32
    +471,27 (+1,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    673,57
    +63,58 (+10,42%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,02 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,95 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.681,68
    +50,23 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    13.436,50
    +75,00 (+0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6547
    +0,0027 (+0,04%)
     

É evidente que vacinação para todos é investimento que temos que fazer, diz Guedes

Marcela Ayres
·1 minuto de leitura
Ministro Paulo Guedes participa de seminário em Brasília

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira ser "evidente" que a vacinação para todos os brasileiros é um investimento que o governo tem que fazer, ao mesmo tempo em que indicou que o governo poderá agir com medidas no caso de uma eventual segunda onda de Covid-19, embora ainda não haja clareza quanto a essa necessidade.

Em coletiva de imprensa, o ministro destacou que um mês do auxílio emergencial custa 55 bilhões de reais, ao passo que a vacinação de toda a população foi estimada em 20 bilhões de reais.

Guedes indicou que esses recursos --que foram objeto de medida provisória recente-- foram incorporados no Orçamento do ano que vem.

"Na verdade são créditos extraordinários que não entram nem no teto", disse.

Questionado se tomaria a vacina, Guedes afirmou ter direito à privacidade na resposta, mas pontuou que se duas sociedades que considera extraordinariamente avançadas estão tomando determinada vacina, ele consideraria o imunizante "interessante".

Como ministro, ele disse ser a favor de vacina gratuita, mas voluntária para todos. Por outro lado, indicou apoio à circulação restrita para os que optarem por não tomar a vacina, afirmando ter gostado da ideia de passaporte de imunização.