Mercado fechará em 23 mins

Ásia terá crescimento mais lento desde 1967 por pandemia, alerta Banco Mundial

Por Daniel Leussink
·1 minuto de leitura
Logo do Banco Mundial
Logo do Banco Mundial

Por Daniel Leussink

TÓQUIO (Reuters) - A pandemia de coronavírus deve levar a região do Leste Asiático e Pacífico, bem como a China, a registrar o crescimento mais lento em mais de 50 anos, enquanto até 38 milhões de pessoas serão levadas à pobreza, disse o Banco Mundial nesta segunda-feira.

O banco afirmou que a região deve crescer neste ano apenas 0,9%, taxa mais fraca desde 1967.

O crescimento da China deve alcançar 2% em 2020, impulsionado pelos gastos do governo, exportações fortes e baixa taxa de novas infecções por coronavírus desde março, mas a atividade será pressionada pelo consumo doméstico lento.

O restante do Leste Asiático e Pacífico deve registrar uma contração de 3,5%, disse o Banco Mundial.

A pandemia e os esforços para conter a disseminação do coronavírus levaram a uma "restrição significativa" da atividade econômica, afirmou o relatório.

Os países na região podem precisar buscar reformas fiscais para mobilizar receita em resposta ao impacto econômico e financeiro da pandemia, enquanto programas de proteção social podem ajudar a sustentar o retorno de trabalhadores à economia, disse o banco.

O choque econômico da pandemia também deve levar a um salto na pobreza, definida como renda de 5,50 dólares por dia, completou o banco, acrescentando que, com base em experiências passadas e as últimas projeções para o Produto Interno Bruto, a pobreza pode aumentar em 33 milhões a 38 milhões de pessoas, registrando o primeiro aumento em 20 anos.