Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.696,60
    -1.371,95 (-1,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.158,85
    +432,89 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,47
    -0,54 (-0,75%)
     
  • OURO

    1.800,60
    +2,60 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    17.233,26
    +422,23 (+2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,15
    +11,46 (+2,90%)
     
  • S&P500

    3.953,93
    +20,01 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.680,59
    +82,67 (+0,25%)
     
  • FTSE

    7.472,17
    -17,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.617,50
    +108,00 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4991
    +0,0327 (+0,60%)
     

Água alienígena é encontrada dentro do asteroide Ryugu

Água alienígena é encontrada dentro do asteroide Ryugu
Água alienígena é encontrada dentro do asteroide Ryugu

Um artigo publicado na revista Science apontou os primeiros resultados das explorações feitas pela espaçonave japonesa Hayabusa2, que coletou amostras de solo do asteroide 162173 Ryugu. A pesquisa encontrou uma gota de água presa dentro de um cristal.

Essas descobertas sugerem que o Ryugu já foi parte de um asteroide muito maior, composto por vários materiais, há cerca de dois milhões de anos após a formação do Sistema Solar, portanto, há 4,5 bilhões de anos. Naquela época, o corpo daquele grande asteroide tinha gelo de dióxido de carbono, que derreteu e formou água em seu interior. Esse grande objeto só se fragmentou e originou Ryugu após um impacto causado por outra rocha espacial, há aproximadamente um bilhão de anos.

Leia mais:

Os cientistas conseguiram realizar toda essa simulação através de um modelo computacional, que, a partir dos resultados das amostras, desenhou esse histórico de formação. O procedimento de coleta foi um processo muito importante, por isso, os cientistas envolvidos no projeto acompanharam de perto todas as ações feitas pela espaçonave e pelos robôs. Assim que Hayabusa2 chegou na órbita do asteroide Ryugu, ela lançou dois pequenos robôs para vasculharem a área. Assim que aterrissaram, eles enviaram imagens do local, para que os cientistas pudessem analisar a forma e cor do solo.

Em 2019, o editor de ciências da Ars, John Timmer, “a equipe de Hyabusa2 suspeita que as características dos dois materiais diferentes encontrados no asteroide são o produto dos ciclos de aquecimento e resfriamento que ocorreram à medida que as rochas são expostas primeiro à luz solar e depois à escuridão do Espaço”.

O que mais intrigou os cientistas é que rochas despedaçadas normalmente produzem poeira e materiais semelhantes à areia. No entanto, não havia sinais de nada disso. Suspeita-se de que os grãos menores se perderam no Espaço ou se juntaram no interior dos escombros.

Outros estudos com as amostras do asteroide

Em outro estudo feito com as amostras do solo de Ryugu, os pesquisadores concluíram que alguns desses materiais são mais antigos que o Sistema Solar. Para chegar a esse resultado, comparou-se o solo de Ryugu com os meteoritos carbonáceos encontrados na Terra. A amostra de poeira de Ryugu tinha grãos idênticos aos outros que foram vistos em alguns desses meteoritos que antecedem nosso Sistema Solar.

Este último artigo determinou a composição química e estrutural das amostras de Ryugu em escala atômica. A análise apontou uma estrutura porosa e de grãos finos compartilhada por todas as amostras e uma composição química semelhante aos raros meteoritos que atingiram a Terra. Essa porosidade indica que o asteroide já segurou água e gelo.

Outra pesquisa realizada com essas amostras, na Alemanha, captou vestígios de metais de terras raras em concentrações significativamente maiores do que em outros lugares do Sistema Solar. Segundo o coautor do estudo, Frank Brenker, trata-se de “um asteroide muito imaculado que representa o início do nosso Sistema Solar”.

A partir da junção de todos esses resultados, alguns cientistas argumentam que, talvez, asteroides como o Ryugu podem ter trazido água para a Terra e ajudado a semear a vida no planeta. Entretanto, é mais um tema para que os pesquisadores testem e verifiquem a veracidade dessa hipótese.

Via: Arstechnica

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!