Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -0,32 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    36.417,32
    +1.416,66 (+4,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,12 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -43,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

África do Sul receberá primeiras vacinas contra covid-19 este mês

·1 minuto de leitura
Teste de covid-19 em centro médico de Pretória, África do Sul

A África do Sul, o país mais afetado do continente pela pandemia do coronavírus, vai receber suas primeiras vacinas, um milhão de doses em janeiro e meio milhão no mês seguinte, anunciou o ministro da Saúde nesta quinta-feira (7).

"Estou feliz de anunciar hoje que o Serum Institute of India (SII)", o gigante da fabricação de vacinas "nos autoriza a anunciar que África do Sul receberá por parte deles um milhão de doses em janeiro e depois 500.000 em fevereiro", informou o ministro Zweli Mkhize.

Esta versão da vacina desenvolvida pelo AstraZeneca e a Universidade de Oxford será destinada aos profissionais da saúde, cerca de 1,25 milhão de sul-africanos prioritários, lembrou o ministro.

O governo espera vacinar dois terços de sua população antes do fim do ano.

Na noite de quarta-feira, o governo sul-africano anunciou um número recorde de novos casos em 24 horas, superando pela primeira vez os 20.000 e chegando a 21.832. 

Perto do Natal, o número superou por três dias consecutivos os 14.000, o que parecia então vertiginoso s comparado com os 12.000 no auge da primeira onda de julho.

Mais de 31.000 sul-africanos morreram de complicações vinculadas com a covid-19.

ger/blb/me/bc/aa