Mercado fechado
  • BOVESPA

    123.576,56
    +1.060,82 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,40
    -0,16 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.813,40
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    38.087,76
    -896,58 (-2,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    931,07
    -12,37 (-1,31%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.105,72
    +24,00 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.602,44
    -39,39 (-0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.028,50
    -17,75 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1755
    +0,0100 (+0,16%)
     

África do Sul inicia primeira etapa para fabricar vacinas anticovid no continente

·2 minuto de leitura
Vacinação de pessoal de saúde contra a covid em 19 de maio de 2021 em uma casa de repouso perto de Klerksdorp, na África do Sul

A África do Sul anunciou nesta segunda-feira(21) a primeira etapa para capacitar seu continente na produção de vacinas anticovid, mas a conclusão do projeto levará tempo e, enquanto isso, "pessoas continuam morrendo", advertiu o presidente Cyril Ramaphosa.

O presidente sul-africano, impulsionador da luta pela suspensão temporária da propriedade intelectual das vacinas, justificou a necessidade de capacitação produtiva regional devido ao fato de que “não se pode contar com as vacinas produzidas fora da África porque nunca chegam" ao continente.

"Elas nunca chegam a tempo e as pessoas continuam morrendo", disse ele da África do Sul em uma coletiva de imprensa da Organização Mundial da Saúde (OMS) dedicada a esse projeto.

Seu país representa mais de 35% do número total de casos de covid-19 registrados na África e atualmente sofre uma terceira onda massiva de infecções.

Como outros países em desenvolvimento, a África do Sul vê as vacinas indo para países ricos ou para os que, como a Índia, as fabricam em larga escala.

Apenas 2% da população do continente africano tomou pelo menos uma dose, disse o presidente Ramaphosa, enquanto os Estados Unidos e a Europa pretendem ter 70% de sua população totalmente imunizada nos próximos meses.

O anúncio desta segunda-feira deve aliviar esse desequilíbrio no longo prazo.

O objetivo é criar um "centro de transferência de tecnologia" para vacinas anticovid de RNA mensageiro, que se mostraram muito eficazes, como as da Pfizer-BioNTech e Moderna, e que parecem mais fáceis de se adaptar às novas variantes em circulação.

O projeto é promovido por um consórcio sul-africano formado pelas empresas de biotecnologia Biovac e Afrigen Biologics and Vaccines, uma rede de universidades e centros africanos de controle de doenças.

A OMS já criou um centro desse tipo com o objetivo de estimular a produção mundial de vacinas contra a gripe.

sn-vog/rjm/apo/mar/mb/jc/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos