Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,02
    -0,11 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.867,60
    +1,70 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    29.810,99
    +278,46 (+0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    585,47
    -94,44 (-13,89%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,74 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.644,69
    -112,17 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    13.380,50
    -15,00 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5108
    +0,0024 (+0,04%)
     

África busca culpados em meio à piora da crise de coronavírus

Leanne de Bassompierre, Eric Ombok e Michael Cohen
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Líderes africanos têm assumido uma postura crítica em relação aos cidadãos em meio à dificuldade de conter a propagação do coronavírus com sistemas de saúde já precários que estão sobrecarregados com maior fluxo de pacientes.

A mensagem dos governos de vários países - que inicialmente elogiavam os cidadãos por apoiarem as medidas contra a pandemia - mudou, e algumas autoridades agora os repreendem por não fazerem o suficiente.

A mudança de tom marca a tentativa de líderes do continente de se livrarem de parte da responsabilidade pelo número crescente de casos e evitar possíveis distúrbios sociais, disse Amaka Anku, chefe da prática de África do Eurasia Group.

Eles estão “lembrando os eleitores de que o governo estabeleceu regras claras que as pessoas precisam seguir”, disse Amaka. “Então, se algumas pessoas não as seguem, o governo não deve ser responsabilizado.”

O ritmo de infecções no continente mais pobre do mundo foi relativamente lento no início devido a quarentenas rigorosas impostas por muitos países, mas os casos confirmados dispararam quando as economias reabriram, ultrapassando a marca de 600 mil na semana passada. Manter o distanciamento físico se mostrou difícil em muitas favelas, e os apelos para o uso de máscaras muitas vezes não são ouvidos, pois algumas pessoas questionam a gravidade da doença.

A piora da pandemia “pode criar uma receita para distúrbios políticos”, afirmou Dismas Mokua, analista político em Nairóbi, capital do Quênia. “Cidadãos insatisfeitos com o status quo culparão o governo pelos erros de omissão e de comando que resultam em aumento de infecções e mortes, bem como oportunidades econômicas perdidas.”

Na África do Sul, que tem quase metade dos casos confirmados de vírus no continente, o governo tem enfrentado críticas por impor algumas regras de quarentena aparentemente arbitrárias que causaram dificuldades econômicas indevidas. Embora inicialmente autoridades tenham admitido que cometeram erros e tenham se comprometido a corrigi-los, o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, foi à ofensiva na semana passada e criticou os que continuam em bebedeiras, organizando festas e que não usam máscaras em público.

Também na semana passada, o governo da Costa do Marfim disse que o uso de máscaras em público será obrigatório, já que as recomendações para adotar a medida foram amplamente ignoradas, e instou cidadãos a manterem o distanciamento físico. O presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, alertou que as restrições de mobilidade serão restabelecidas se os cidadãos não cumprirem o dever cívico de manter a pandemia sob controle - um alerta também enviado pelo ministro da Informação de Gana, Kojo Oppong Nkrumah.

Na Nigéria, autoridades enfatizaram cada vez mais que os cidadãos devem assumir a responsabilidade por sua própria saúde e alertaram que pessoas que não usarem máscaras ou não respeitarem o distanciamento físico serão presas. Várias centenas de pessoas já foram processadas.

Os cidadãos precisam exercer responsabilidade pessoal, mas seu impacto individual na trajetória da doença é limitado, disse Mokua.

“É responsabilidade dos líderes políticos oferecer orientação” e achatar a curva de infecção, disse. “Não podem passar a bola.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.