Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    23.246,85
    +152,32 (+0,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Vale-refeição dura apenas 13 dias, aponta pesquisa

Alta da inflação faz vale-refeição durar apenas 13 dias. Foto: Getty Images.
Alta da inflação faz vale-refeição durar apenas 13 dias. Foto: Getty Images.
  • Dados da ABBT apontam que o custo médio da refeição brasileira tem chegado a R$ 40,64;

  • Vale-refeição tem durado apenas 13 dias, segundo levantamento;

  • Em 2019, antes da pandemia, a duração média do vale-refeição era de 18 dias.

Dados da Associação Brasileira das Empresas de Benefícios ao Trabalhador (ABBT) apontam que o custo médio da refeição no Brasil tem chegado a R$ 40,64. A partir de informações levantadas pela Sodexo Benefícios e Incentivos por meio da sua base de clientes e em cima desse valor, constata-se que o vale-refeição brasileiro tem durado apenas 13 dias.

“Se considerarmos que cada transação acontece em um dia útil, podemos dizer que hoje o trabalhador precisa desembolsar nove dias do salário para almoçar e assim fechar o mês até a próxima recarga do benefício uma vez que as empresas geralmente consideram 22 dias úteis na concessão do crédito”, disse o Diretor de Relações Institucionais e de Responsabilidade Corporativa da Sodexo, Willian Tadeu.

Leia também:

A constatação da empresa vem de uma pesquisa interna na qual se demonstra que a duração do benefício encurtou desde o começo da pandemia, durante os primeiros meses de 2020, até o último mês de junho.

“Importante lembrar que no primeiro trimestre, em comparação com o mesmo período do ano anterior, empresas de todos os portes aumentaram, em média, 7,42% o valor do crédito do cartão refeição, justamente por entender que a oferta de benefícios ao trabalhador é questão de estratégia de negócio na atração e retenção dos melhores talentos”, continuou o diretor.

De acordo com Willian, as empresas já estão atentas à situação e procuram reajustar o crédito do auxílio. Em 2019, antes da pandemia, a durabilidade média do vale-refeição era de 18 dias.

*Com informações do Estadão.