Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.988,18
    -282,87 (-0,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Vacinação nos EUA ainda é marcada por desigualdade racial

Joshua Wingrove
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O governo Biden não tem conseguido solucionar a persistente desigualdade racial na campanha de vacinação contra o coronavírus nos Estados Unidos, onde pessoas brancas têm recebido uma quantidade desproporcional de vacinas, mesmo em lugares com grandes populações de minorias.

Uma abordagem nos estados tanto para a administração de vacinas quanto para relatar dados deixou o governo federal com pontos cegos significativos e controle apenas parcial sobre quem é vacinado. Dados incompletos dos estados mostram que proporções relativamente menores de populações negras e latinas receberam vacinas, em comparação com pessoas brancas.

Em Filadélfia e Washington, os negros representam mais de 40% da população, mas respondiam por pouco mais de 20% das pessoas vacinadas para as quais existem dados raciais, de acordo com o rastreador de vacinas da Bloomberg. No Texas e na Califórnia, os latinos representam 39% da população, mas apenas 21% e 18% dos vacinados, respectivamente. No Arizona, os brancos representam 55% da população, mas receberam 76% das vacinas.

Biden e seus principais assessores, liderados pela vice-presidente Kamala Harris, têm pressionado para que as vacinações sejam equitativas em uma pandemia que atingiu desproporcionalmente comunidades de pessoas não brancas. Uma força-tarefa de equidade, que surgiu de um projeto de lei proposto por Harris, realizou a primeira reunião na sexta-feira, onde autoridades enfatizaram a necessidade de melhores dados. Mas o governo mostra limitação na capacidade de abordar a distribuição desigual em todo o país.

“É extremamente importante ter equidade na distribuição de vacinas, por causa de tudo o que sabemos sobre o quão desproporcional o impacto da Covid-19 tem sido nas comunidades de pessoas não brancas”, disse Lisa Cooper, médica que dirige o Johns Hopkins Center for Health Equity. “Podemos não estar todos no mesmo barco, mas estamos na mesma tempestade - se outros barcos estão virando, não é bom para o resto.”

Pessoas não brancas - que incluem indígenas americanos, nativos do Alasca, negros e latinos - têm cerca de três a quatro vezes mais chances de serem hospitalizadas com Covid-19 do que brancos e duas vezes mais chances de morrer da doença, de acordo com dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

As razões são amplas e complicadas, como índices mais altos de doenças pré-existentes que pioram o impacto do vírus, menos acesso a cuidados de saúde e uma maior proporção de pessoas que vivem em famílias multigeracionais ou que trabalham em empregos na linha de frente.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.