Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.143,20
    -432,22 (-2,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Uber é condenada a pagar R$ 400 mil à família de motorista assassinado

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Uber é condenada a pagar R$ 400 mil à família de motorista assassinado
Uber é condenada a pagar R$ 400 mil à família de motorista assassinado
  • Um motorista foi morto em viagem quando cinco assaltantes o surpreenderam;

  • Caso ocorreu em março de 2019 e foi a juízo em 2021;

  • A Justiça também reconheceu vínculo empregatício do motorista com a plataforma.

A empresa de transporte por aplicativo Uber foi condenada a pagar uma indenização de R$ 400 mil após assassinato ocorrido no dia 1º de março de 2019 em Belo Horizonte (MG). Um motorista foi morto em uma viagem quando cinco assaltantes o surpreenderam. Além do valor a ser pago à família, o Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT-3) também reconheceu o vínculo empregatício do condutor.

No dia do ocorrido, a vítima foi surpreendida pelos criminosos e teve o carro levado para debaixo de uma ponte, onde ele foi violentado com golpes no crânio e nas costas que o levaram à morte.

Em 2021, a viúva e a mãe do motorista entraram com uma ação trabalhista pedindo indenização no valor de R$ 400 mil e uma pensão mensal equivalente a R$ 2 mil, valor que a vítima faturava por mês como condutor. Também foi pedido o reconhecimento do vínculo empregatício do autônomo com a empresa.

A Uber contestou os pedidos da mulher e da viúva do condutor e também solicitou a extinção total da ação e ainda negou o vínculo de emprego, argumentando que o motorista nunca prestou serviços diretamente ao aplicativo de corrida. A plataforma argumentou que o motorista não estava correndo pelo aplicativo no momento da viagem, e disse à Justiça que não poderia se responsabilizar pela ação.

Ao analisar o caso, a juíza do Trabalho Laudenicy Moreira de Abreu deu razão às autoras do processo e negou o pedido da Uber. Ela condenou a empresa a pagar uma indenização de R$ 200 mil tanto para a mãe quanto para a esposa do condutor.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos