Mercado fechará em 5 h 26 min
  • BOVESPA

    116.063,25
    +395,47 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.151,38
    -116,95 (-0,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,92
    -0,30 (-0,47%)
     
  • OURO

    1.779,20
    -18,70 (-1,04%)
     
  • BTC-USD

    51.025,30
    +1.394,82 (+2,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.019,53
    +24,86 (+2,50%)
     
  • S&P500

    3.919,47
    -5,96 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    31.949,89
    -11,97 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.678,44
    +19,47 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    13.165,50
    -136,50 (-1,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6607
    +0,0902 (+1,37%)
     

Twitter derruba mais de 70 mil contas ligadas ao movimento QAnon

Wagner Wakka
·1 minuto de leitura

O Twitter disse ter bloqueado mais de 70 mil contas ligadas a conteúdos conspiracionistas do movimento QAnon. A empresa anunciou sua ação após os acontecimentos em 6 de janeiro que resultaram na invasão do Capitólio, sede do governo norte-americano.

“Dados os eventos em Washington DC e o aumento do risco de perigo, nós começamos a suspender permanentemente milhares de contas dedicadas primariamente a compartilhar conteúdos do QAnon na tarde de sexta-feira (8)”, explica o Twitter, em comunicado.

De acordo com a companhia, grande parte destas contas era de pessoas únicas, mas que comandavam uma série de perfis ao mesmo tempo. “Tais contas eram engajadas em compartilhar conteúdos perigosos associados ao QAnon em escala, e eram dedicados à propagação de suas teorias conspiracionistas pelo serviço”, aponta a empresa.

A derrubada dos perfis é uma consequência da mudança de políticas que a empresa implementou durante a campanha eleitoral dos Estados Unidos em 2020. Publicações na plataforma relacionadas à eleição passaram a ter visibilidade limitada, para conter teorias conspiracionistas.

O movimento QAnon se baseia em uma teoria infundada, que defende que Donald Trump está travando uma batalha contra pedofilia no alto escalão do governo, mesmo que não haja provas nem indício disso.

O Twitter disse que vai manter a verificação e busca por perfis que compartilham conteúdos relacionados ao movimento QAnon.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: