Mercado fechará em 2 mins
  • BOVESPA

    107.981,45
    +732,41 (+0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.663,29
    -415,41 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,35
    -1,11 (-1,55%)
     
  • OURO

    1.810,00
    +8,50 (+0,47%)
     
  • BTC-USD

    17.153,87
    -89,95 (-0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    403,71
    -2,53 (-0,62%)
     
  • S&P500

    3.960,86
    -2,65 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    33.705,95
    -75,53 (-0,22%)
     
  • FTSE

    7.476,63
    +4,46 (+0,06%)
     
  • HANG SENG

    19.900,87
    +450,64 (+2,32%)
     
  • NIKKEI

    27.901,01
    +326,58 (+1,18%)
     
  • NASDAQ

    11.665,50
    +20,00 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5377
    +0,0371 (+0,67%)
     

Telescópio James Webb captura imagens impressionantes de Júpiter; veja

Registros foram divulgados pela NASA (Getty Images)
Registros foram divulgados pela NASA

(Getty Images)

  • Telescópio James Webb faz imagens de Júpiter;

  • É possível ver luas do planeta, seus anéis e a Grande Mancha Vermelha, capaz de engolir a Terra;

  • Registros foram obtidos por meio dos três filtros infravermelhos do telescópio.

A NASA (agência espacial norte-americana) divulgou, nesta segunda-feira (22), novas imagens em alta resolução de Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar. As fotos foram capturadas pelo telescópio James Webb, o maior e mais potente já lançado ao espaço e que ficou famoso pelas imagens de galáxias e nebulosas publicadas em julho.

Nas imagens, é possível ver algumas luas do planeta, seus anéis e a Grande Mancha Vermelha, tempestade com tamanho suficiente para engolir a Terra. A Mancha aparece como um grande ponto branco circular no canto inferior direito. A cor deve-se ao fato de, na foto, estar refletindo a luz do Sol.

“Não esperávamos que [as fotos] fossem tão boas, para ser honesto”, disse o astrônomo planetário Imke de Pater, professor da Universidade da Califórnia em Berkeley (nos Estados Unidos). “É realmente incrível que possamos ver detalhes de Júpiter, como seus anéis, seus pequenos satélites e até umas galáxias em uma única imagem”.

Os registros foram feitos por meio do Near-Infrared Camera (NIRCam) do observatório, que conta com três filtros infravermelhos capazes de mostrar os detalhes do planeta. Como a luz infravermelha é invisível ao olho humano, os cientistas tiveram que traduzir os dados obtidos pelo telescópio para o espectro visível.

A responsável pelo feito foi a jovem cientistas Judy Schmidt, que processou os registros de Júpiter com outros cientistas. Ela ainda não tem formação em astronomia, mas nutre grande interesse pela área. Desde que participou de um concurso da ESA (agência espacial europeia), trabalha com o processamento de imagens do telescópio Hubble, antecessor do Webb.

Com informações do g1