Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.402,27
    +1.930,27 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.354,86
    +631,43 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,13
    -0,63 (-0,69%)
     
  • OURO

    1.799,80
    -5,40 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    23.748,33
    +518,35 (+2,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    554,05
    +11,18 (+2,06%)
     
  • S&P500

    4.140,06
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    32.832,54
    +29,07 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.482,37
    +42,63 (+0,57%)
     
  • HANG SENG

    19.868,49
    -177,28 (-0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.992,94
    -256,30 (-0,91%)
     
  • NASDAQ

    13.180,75
    -2,50 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2097
    +0,0003 (+0,01%)
     

Rússia contratou pessoas para campanha pró-guerra; salários superam R$ 2 mil

Grupo IRA, que tentou interferir nas eleições dos EUA, supostamente fazia parte (Getty Images)
Grupo IRA, que tentou interferir nas eleições dos EUA, supostamente fazia parte

(Getty Images)

  • Rússia contratou pessoas na rua para publicarem comentários favoráveis à guerra nas redes sociais;

  • Robôs trabalhavam 7 dias por semana e ganhavam mais de R$ 2 mil por mês com a campanha;

  • Informações constam em novo relatório da Meta, empresa responsável pelo Instagram e Facebook.

A Meta, responsável pelo Facebook e Instagram divulgou, nesta quinta-feira (4), um relatório que indica que equipes russas contrataram pessoas na rua para publicarem comentários favoráveis sobre a invasão da Ucrânia nas redes sociais. O objetivo era parecer que a guerra teve apoio popular.

Segundo a gigante comandada por Mark Zuckerberg, uma “fazenda de trolls” – robôs que fazem publicações automáticas – comandaram uma campanha de desinformação. Eles trabalhavam sete dias por semana e recebiam cerca de US$ 440 por mês, equivalentes a R$ 2.350. Dentre as plataformas utilizadas, estavam Instagram, Facebook, TikTok, Twitter, YouTube, LinkedIn, VKontakte e Odnoklassniki.

Cerca de 1.037 contas no Instagram foram suspensas e outras 45 no Facebook. A internet tem sido uma das frentes da guerra entre a Rússia e Ucrânia, com tentativas russas de silenciar críticas, promover narrativas favoráveis ao governo e ataques hackers. As informações são da Agência O Globo.

Grupo que interferiu em eleições fazia parte

O relatório da Meta também apontou que alguns dos envolvidos na campanha pró-invasão estavam associados à Agência de Pesquisa de Internet, conhecida pela sigla IRA. Trata-se de um grupo russo ligado ao governo do país que tenta interferir nas eleições dos Estados Unidos e de outros países desde 2016.

As autoridades norte-americanas oferecem recompensa de US$ 10 milhões (R$ 53,4 milhões) a quem tiver informações sobre a participação da IRA nas eleições.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos