Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.608,76
    -345,14 (-0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.036,38
    +293,23 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,66
    +2,23 (+2,06%)
     
  • OURO

    1.808,30
    +6,80 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    19.778,79
    +463,85 (+2,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    429,24
    +9,10 (+2,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.232,65
    +64,00 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.153,81
    +218,19 (+0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.554,00
    -57,25 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5540
    -0,0047 (-0,08%)
     

Remédios terão reajuste de 11% a partir de hoje

·1 min de leitura
Reajuste dos remédios não é automático nem imediato
Reajuste dos remédios não é automático nem imediato

(Getty Images)

  • Preço dos remédios terá reajuste de 10,89% a partir de hoje;

  • Reajuste foi divulgado pelo Sindicato dos Produtos da Indústria Farmacêutica (Sindusfarma);

  • Ainda assim, consumidores não devem sentir alta nos preços logo de cara.

Os medicamentos terão um reajuste de 10,89% a partir desta quinta-feira, 31 de março. O índice foi autorizado pelo governo Bolsonaro para recomposição anual de preços e divulgado na noite da terça-feira (29) pelo Sindicato dos Produtos da Indústria Farmacêutica (Sindusfarma).

"O reajuste não é automático nem imediato, pois a grande concorrência entre as empresas do setor regula os preços: medicamentos com o mesmo princípio ativo e para a mesma classe terapêutica (doença) são oferecidos no país por vários fabricantes e em milhares de pontos de venda", disse o sindicato em nota.

O percentual foi definido pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), órgão responsável pela regulação do mercado de remédios. O aumento deve atingir cerca de 13 mil medicamentos no mercado varejista.

Ainda assim, o consumidor não deve ser impactado logo de cara. Nelson Mussolini, presidente executivo do Sindusfarma, apontou ao Estadão que "dependendo da reposição de estoques e das estratégias comerciais dos estabelecimentos, aumentos de preços podem demorar meses ou nem acontecer".

Algumas dicas que o consumidor pode seguir são:

  • Procurar o remédio em diferentes unidades da mesma rede

  • Aproveitar os descontos oferecidos por planos de saúde ou programas de fidelidade das farmácias

  • Pesquisar preços de medicamentos em mais de uma farmácia;

  • Dar preferência a remédios genéricos;

  • Observar quais medicamentos estão cadastrados no programa Farmácia Popular,

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos