Mercado abrirá em 2 h 35 min
  • BOVESPA

    108.376,35
    -737,80 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.006,11
    +197,55 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,72
    +0,22 (+0,28%)
     
  • OURO

    1.631,50
    -4,70 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    18.888,26
    -1.327,11 (-6,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    430,63
    -28,51 (-6,21%)
     
  • S&P500

    3.647,29
    -7,75 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    29.134,99
    -125,82 (-0,43%)
     
  • FTSE

    6.891,76
    -92,83 (-1,33%)
     
  • HANG SENG

    17.250,88
    -609,43 (-3,41%)
     
  • NIKKEI

    26.173,98
    -397,89 (-1,50%)
     
  • NASDAQ

    11.244,75
    -89,00 (-0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1414
    -0,0185 (-0,36%)
     

Prato feito fica 23,5% mais caro em um ano

A casado, with translates from Spanish to English as marriage is a typical lunchtime meal of rice, beans, salad, plantain and, or french fries and meat.
O prato típico dos brasileiros ficou muito mais caro no período de 12 meses (Getty Image)
  • Itens que compõe o prato feito ficaram ainda mais caros do que a inflação;

  • O tomate foi o alimento que registrou a maior alta em um ano;

  • Arroz e feijão foram os únicos componentes que sofreram deflação.

Arroz, feijão, saladinha, alguma mistura e um punhado de batata frita. Se bobear, essa combinação saborosa representa o Brasil mais do que futebol e samba.

O que antes era uma refeição barata e nutritiva passou a pesar no bolso dos brasileiros. Nos últimos 12 meses, a combinação ficou 23,5% mais cara, conforme dados apurados pelo Ibre (Instituto Brasileiro de Economia).

O levantamento estima que a refeição encareceu acima da inflação medida no mesmo período, que foi de 10,3% pelo IPC-M (Índice de Preço ao Consumidor – Mercado) e de 12% pelo IPCA (Índice de Preço ao Consumidor Amplo).

O estudo avaliou dez itens básicos que compõe a refeição: arroz, feijão-carioca, feijão-preto, alface, batata, cebola, tomate, frango, ovos e carnes bovinas.

De todos os alimentos, o tomate foi o que ficou mais caro, mais que dobrando de preço. Uma das explicações para mudança é o regime de chuvas, que afetou as regiões que produzem o alimento.

Apenas o arroz e o feijão sofreram quedas no preço. Contudo, apesar da deflação registrada nos últimos 12 meses, ainda estão mais altos do que no período anterior à pandemia, em 2019.

Impacto no vale-refeição dos trabalhadores

O aumento no preço da comida reduziu o poder de compra do vale-alimentação, reduzindo o tempo de duração dos créditos depositados mensalmente.

Dados do panorama da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), em parceria com a Alelo, bandeira especializada em benefícios corporativos, dizem que o número de dias corridos necessários para esgotar o saldo creditado mensalmente pelos empregadores em fevereiro de 2022 foi, em média, de 24 dias. No mesmo período de 2020, pré-pandemia, era de 27 dias.