Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.572,33
    -12,45 (-0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Empresa é condenada pagar R$ 14 mil por causa de tatuagem

Funcionária era obrigada a utilizar meia-calça ou fita adesiva para cobrir tatuagem
Funcionária era obrigada a utilizar meia-calça ou fita adesiva para cobrir tatuagem
  • Funcionária usava fita adesiva para cobrir tatuagem;

  • Funcionários homens tinham a opção de utilizar calça;

  • Para juíza, empresa falhou em "coibir a prática de assédio moral".

Uma empresa no Distrito Federal foi condenada a pagar R$ 14.275 para uma funcionária, após obrigá-la a cobrir tatuagens de forma misógina e vexatória. A decisão foi da juíza Katarina Brandão, da da 4ª Vara do Trabalho, do TRT-10 (Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região).

De acordo com os autos, a empresa não permitia a exibição de tatuagens no local de trabalho, e a funcionária era ameaçada com ameaças caso não escondesse suas tatuagens dos clientes com meia-calça ou adesivos. Já os funcionários homens tinham a opção de utilizar calças para cobrir suas tatuagens nas pernas.

Segundo entendimento da juíza, a atitude da empresa foi misógina ao determinar essa exigência somente para as mulheres, enquanto os modos de aplicação da norma se deram de forma "vexatória e humilhante". A mulher contou que ela também era obrigada a utilizar batom.

A companhia argumentou que mulheres que vão trabalhar sem maquiagem são "exceções à regra", e afirmou que o padrão em seu escritório é de "maquiagem pesada, com cílios postiços, unhas de diversos materiais, batons de todas as cores e sobrancelhas grossas". Por fim, a empresa ressaltou que a funcionária "usaria maquiagem em qualquer outro posto de trabalho", porque é "jovem, bonita e certamente zelosa pela sua boa aparência".

A juíza entendeu que a empresa falhou em seu dever de "coibir a prática de assédio moral e garantir que as mulheres sejam respeitadas" ao realizar práticas misóginas. A decisão ainda poderá ser contestada em nova instância.