Mercado abrirá em 8 h 16 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,39
    -0,08 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.891,30
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    22.518,41
    -750,50 (-3,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    517,76
    -19,14 (-3,56%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.326,90
    +43,38 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    27.479,86
    -126,60 (-0,46%)
     
  • NASDAQ

    12.581,25
    +36,00 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5808
    +0,0134 (+0,24%)
     

Plano com anúncios da Netflix não terá todos os filmes e séries

Netflix está tentando como pode parar a sangria de assinantes. (Jakub Porzycki/NurPhoto via Getty Images)
Netflix está tentando como pode parar a sangria de assinantes. (Jakub Porzycki/NurPhoto via Getty Images)
  • Netflix vem perdendo assinantes nos últimos meses;

  • Ideia é que plano com anúncios tenha um valor mais baixo, ou seja até gratuito;

  • Empresa encontrou problema com alguns estúdios quanto a exibição de anúncios.

A Netflix vem há algum tempo tentando desenvolver novas formas de atrair mais clientes. Nos últimos meses a companhia de streaming de filmes e séries viu o seu número de consumidores cair pela primeira vez desde sua criação, e com isso o seu valor de mercado.

Para isso a empresa tem tentado diversos métodos, como impor que os usuários não compartilhem suas contas, e até mesmo a criação de um plano mais barato, ou talvez até mesmo gratuito, só que com anúncios.

Só que, segundo a própria empresa, esse plano com anúncios, que já está em desenvolvimento e cujo uma parceria já foi até anunciada com a Microsoft, não contará com todo catálogo de séries e filmes da Netflix. Ou seja, será um plano mais limitado no conteúdo disponível para os usuários.

De acordo com os executivos da empresa, o problema estaria em divergências com as produtoras, que muitas vezes podem ter especificado no contrato a não exibição de anúncios para não entrarem em conflito com seus próprios anunciantes.

Ainda não se sabe quais títulos da plataforma ficariam de fora. Para Ted Sarandos, CEO da Netflix, a grande maioria dos títulos mais vistos entrarão no plano com anúncios. "Há algumas coisas que não – sobre as quais estamos conversando com os estúdios – mas se lançássemos o produto hoje, os membros da camada de anúncios teriam uma ótima experiência", disse.

A ideia da empresa é lançar o produto no início de 2023, mas ainda não se sabe se será um lançamento global ou limitado a alguns países, como foram as notificações sobre o compartilhamento de contas, que atingiu somente países latino-americanos.