Mercado fechará em 6 h 39 min
  • BOVESPA

    117.535,18
    +337,36 (+0,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.845,83
    -200,77 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,34
    -0,42 (-0,48%)
     
  • OURO

    1.720,20
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    20.137,47
    +200,91 (+1,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    458,16
    -0,24 (-0,05%)
     
  • S&P500

    3.783,28
    -7,65 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    30.273,87
    -42,43 (-0,14%)
     
  • FTSE

    6.983,41
    -69,21 (-0,98%)
     
  • HANG SENG

    18.012,15
    -75,82 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    27.311,30
    +190,80 (+0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.593,75
    -30,00 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1256
    -0,0106 (-0,21%)
     

Pesquisadores acham que finalmente resolveram mistério de como a Terra foi formada

Pesquisadores acham que finalmente resolveram mistério de como a Terra foi formada
Pesquisadores acham que finalmente resolveram mistério de como a Terra foi formada
  • A teoria explicaria a composição química peculiar da Terra;

  • A resolução pode inclusive ajudar a contar a história de outros planetas;

  • Os pesquisadores acreditam que a Terra foi formada lentamente através de seu campo gravitacional.

Além de responder ao mistério de como nosso planeta chegou até aqui, a teoria explicaria a composição química peculiar da Terra. E poderia ajudar a contar a história de outros planetas como o nosso também.

“A teoria predominante em astrofísica e cosmoquímica é que a Terra se formou a partir de asteroides condritos . Estes são blocos simples e relativamente pequenos de rocha e metal que se formaram no início do sistema solar”, explica Paolo Sossi, professor de planetologia experimental da ETH Zurich.

“O problema com essa teoria é que nenhuma mistura desses condritos pode explicar a composição exata da Terra, que é muito mais pobre em elementos leves e voláteis, como hidrogênio e hélio, do que esperávamos,” agurmentou o professor.

Pesquisadores apresentaram inúmeras ideias ao longo dos anos para explicar isso, sugerindo que as colisões das matérias-primas que formaram a Terra geraram uma enorme quantidade de calor e vaporizaram os elementos mais leves.

No entanto, a composição isotópica da Terra parece sugerir de forma diferente: “Todos os isótopos de um elemento químico têm o mesmo número de prótons, embora diferentes números de nêutrons. Isótopos com menos nêutrons são mais leves e, portanto, devem escapar mais facilmente”, disse o professor Sossi.

“Se a teoria da vaporização por aquecimento estivesse correta, encontraríamos menos desses isótopos de luz na Terra hoje do que nos condritos originais. Mas é precisamente isso que as medições de isótopos não mostram.”

Os pesquisadores começaram a procurar uma resposta melhor. Acredita-se que os planetas do Sistema Solar se formaram ao longo do tempo, com grãos menores crescendo nos planetesimais - pequenos corpos de gás e poeira acumulados - acumulando material por meio de sua atração gravitacional.

Ao contrário dos condritos, os planetesimais foram aquecidos o suficiente para criar uma separação entre seu núcleo metálico e o manto rochoso; além disso, planetesimais formados em diferentes áreas ao redor do Sol, ou em momentos diferentes, podem ter composições químicas notavelmente diferentes.

A equipe fez simulações de milhares de planetesimais colidindo para ver se eles poderiam produzir corpos semelhantes a Mercúrio, Vênus, Terra e Marte. As simulações mostram que não apenas uma mistura de muitos planetesimais diferentes poderia ter formado a Terra, mas que um planeta com a composição da Terra é o resultado estatisticamente mais provável.

“Mesmo que tenhamos suspeitado, ainda achamos esse resultado muito notável”, diz o professor Sossi.

“Agora não temos apenas um mecanismo que explica melhor a formação da Terra, mas também temos uma referência para explicar a formação dos outros planetas rochosos”, diz o pesquisador.

“O mecanismo poderia ser usado, por exemplo, para prever como a composição de Mercúrio difere da de outros planetas rochosos. Ou como exoplanetas rochosos de outras estrelas podem ser compostos.”