Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.419,98
    -208,04 (-0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Nubank terá que indenizar em R$ 5,1 mil cliente que teve dinheiro roubado

Nubank
Vítima chegou bloquear o número e o aparelho

(NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)

  • Nubank é condenado a pagar R$ 5,1 mil a vítima de fraude bancária;

  • Vítima teve o celular roubado e criminosos conseguiram transferir o dinheiro em sua conta do banco;

  • Juíza afirmou que houve uma falha de segurança no app do Nubank.

O Nubank foi condenado a indenizar em R$ 5,1 mil um cliente que sofreu uma fraude bancária. A vítima teve o celular roubado e, mesmo depois de solicitar à operadora de telefone o bloqueio de seu número e aparelho, percebeu que os criminosos conseguiram levar todo seu dinheiro.

As quantias estavam na sessão ‘dinheiro guardado’ do aplicativo do Nubank e a transferência foi feita na manhã seguinte ao roubo do celular, em agosto de 2021. O cliente, então, solicitou que o banco restituísse os valores, mas teve seu pedido negado ao ouvir que foi uma falha de segurança que levou à fraude bancária. Ele, então, entrou com um processo no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

O processo

À Justiça, o Nubank alegou que não poderia se responsabilizar pela transação fraudulenta, uma vez que foi concluída com uso de senha pessoal da vítima. O banco ainda disse que o cliente não conseguiu apontar os danos materiais sofridos ou o problema no serviço prestado.

No entanto, a juíza Tamara Hochgreb Matos reconheceu que houve, de fato, uma falha de segurança no aplicativo. De acordo com a magistrada da 24ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo, o Nubank deveria garantir a segurança de transferências no app. Como isso não aconteceu, se tornou responsável pela invasão da conta da vítima.

Na decisão, ela ainda citou o caso de fraude envolvendo o Mercado Livre e Mercado Pago. Na ocasião, os criminosos acessaram os dados da vítima pelos sistemas de e-commerce da empresa – que teve que devolver ao cliente a quantia roubada no golpe, correspondente a R$ 9,7 mil.

Além da indenização de R$ 5,1 mil, Matos sentenciou o Nubank a pagar os custos do processo e os honorários dos advogados.