Mercado abrirá em 3 h 4 min
  • BOVESPA

    107.249,04
    -1.819,51 (-1,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.078,70
    +352,74 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,94
    +0,48 (+0,67%)
     
  • OURO

    1.802,60
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    17.208,83
    +372,73 (+2,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,77
    +11,09 (+2,81%)
     
  • S&P500

    3.963,51
    +29,59 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    33.781,48
    +183,56 (+0,55%)
     
  • FTSE

    7.462,13
    -10,04 (-0,13%)
     
  • HANG SENG

    19.900,87
    +450,64 (+2,32%)
     
  • NIKKEI

    27.901,01
    +326,58 (+1,18%)
     
  • NASDAQ

    11.682,25
    +36,75 (+0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5314
    +0,0308 (+0,56%)
     

Novas regras do vale-alimentação e vale-refeição: entenda como vai funcionar

Vale alimentação e refeição são muito utilizados por trabalhadores
Vale alimentação e refeição são muito utilizados por trabalhadores
  • Medida Provisória estabelece multas para empresas e estabelecimentos que desrespeitarem as regras;

  • Vale alimentação e refeição deverá ser utilizado para o fim determinado;

  • Fica também proibida a oferta de descontos no pagamento na hora de contratar o serviço.

Conforme anunciado na sexta-feira pelo governo federal, nesta segunda, 28, foi publicada no Diário Oficial da União a Medida Provisória (MP) 1.108, que modifica as regras do vale-alimentação dados aos trabalhadores. A MP tem como objetivo garantir a devida utilização dos recursos para o pagamento de refeições ou para a compra de alimentos em estabelecimentos comerciais.

Para isso, a MP definiu novas punições tanto para os estabelecimentos que realizam a venda indevida, quanto para as empresas que permitirem que seus auxílios sejam utilizados para funções que não sejam as estabelecidas. Segundo o Ministério do Trabalho, a mudança veio após denúncias de que o benefício estaria sendo utilizado para o pagamento de outros serviços, como TV a cabo e academias.

Em primeiro lugar ficou-se decretada a aplicação de uma multa, que pode variar de R$ 5 mil a R$ 50 mil, podendo ainda ser multiplicada em caso de reincidência ou embaraço à fiscalização. As empresas que providenciam o serviço dos cartões pode ainda ser descredenciadas do serviço.

A MP também estabelece a proibição da oferta de descontos no momento de contratação de uma empresa fornecedora do auxílio-alimentação e dos vales refeição e alimentação. Segundo a pasta, na hora da empresa contratar o serviço de alimentação, as empresas fornecedoras do ticket negociavam um desconto para serem escolhidas. Por exemplo, ao negociar um total de R$ 100 mil em vales para os funcionários, as empresas negociavam e no fim pagavam apenas R$ 90 mil.

Após isso, a diferença de valor era recompensada ao cobrar taxas maiores dos restaurantes e supermercados, que repassavam a diferença para os consumidores, isto é, os R$ 10 mil restantes eram cobrados dos estabelecimentos comerciais, que por fim tinham que cobrar esse valor dos consumidores em geral. Essa prática, de acordo com o Ministério do Trabalho, acaba por encarecer os produtos de uma maneira geral.