Mercado abrirá em 21 mins
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,08
    -2,20 (-2,88%)
     
  • OURO

    1.760,80
    +6,80 (+0,39%)
     
  • BTC-USD

    16.211,17
    -338,12 (-2,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,85
    -2,80 (-0,73%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.462,19
    -24,48 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.684,50
    -98,25 (-0,83%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6812
    +0,0568 (+1,01%)
     

Motoristas de app recorrem à prostituição para aumentar renda

Casos são encontrados em motoristas da Uber, 99 e InDriver
Casos são encontrados em motoristas da Uber, 99 e InDriver
  • Casos são encontrados em motoristas da Uber, 99 e InDriver;

  • Prática é proibida pelo código de conduta da Uber, afirma a empresa;

  • Prostituição não é proibida no Brasil.

Uma reportagem da Folha de São Paulo deste sábado (02), revelou ao mundo o fenômeno de motoristas de aplicativos que estão fazendo sexo com seus passageiros em troca de dinheiro, como modo de complementar a renda. De acordo com a equipe do jornal, a prática tem afetado as plataformas do Uber, 99 e InDriver.

Os encontros são combinados previamente dentro do próprio chat do aplicativo através de códigos, de modo a burlar a censura de linguagem obscena do app. A letra "b", por exemplo, é um código para sexo oral. Há também motoristas que fazem as negociações do programa em aplicativos de relacionamento, como o Grindr.

Um dos motoristas entrevistados pela reportagem, na condição de permanecer anônimo por medo de represálias da empresa, afirmou que cobra entre R$ 50 a R$ 150 pelo programa, porém que já chegou a receber R$ 200 em apenas um único ato. Segundo afirmado por ele, esse só esse valor se aproxima do equivalente a sua receita diária com o aplicativo de corridas.

O motorista anônimo também afirmou que com o aumento do preço dos combustíveis, teve de aumentar o número de programas feitos em seu carro, já tendo recebido cerca de 50 clientes desde o início de seu trabalho como motorista há cerca de dois anos.

Os serviços geralmente são realizados no próprio carro, em ruas desertas, ou ainda com o veículo em movimento. Também acontece de irem para um motel, custeado pelo cliente, ou na casa do passageiro.

De acordo com a Uber, embora a prática de prostituição não seja proibida no Brasil, a empresa não permite a prática no seu código de conduta, podendo levar à terminação da parceria com o motorista. A InDriver não se pronunciou sobre, enquanto a 99 preferiu não se manifestar.