Mercado fechará em 18 mins
  • BOVESPA

    119.547,33
    -17,11 (-0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.915,43
    +515,63 (+1,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,78
    -0,85 (-1,30%)
     
  • OURO

    1.814,50
    +30,20 (+1,69%)
     
  • BTC-USD

    55.866,82
    -1.353,87 (-2,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.450,99
    -20,43 (-1,39%)
     
  • S&P500

    4.189,27
    +21,68 (+0,52%)
     
  • DOW JONES

    34.472,94
    +242,60 (+0,71%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.529,50
    +38,50 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3749
    -0,0520 (-0,81%)
     

MDR e Fiesp fazem parceria para estimular inovação na construção civil

Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil
·1 minuto de leitura

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) firmaram hoje (30) um termo de cooperação técnica para incentivar a inovação tecnológica na construção civil. A iniciativa faz parte das ações do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat, que busca colocar o setor em linha com os compromissos assumidos pelo Brasil na 2ª Conferência Mundial Sobre os Assentamentos Humanos, realizada em Istambul, na Turquia, em 1996.

Segundo o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, a parceria busca facilitar os trâmites para inovações na construção civil. “Vamos promover a qualidade e a produtividade das indústrias, além de acelerar os processos e reduzir os custos para homologação de materiais, componentes e sistemas construtivos inovadores, que têm se mostrado muito lentos e onerosos para os proponentes”, disse.

Haverá um canal para dar apoio técnico e agilizar os processos burocráticos referentes a inovações no setor e será criada uma comissão para elaborar normas específicas para os produtos que estão em fase de homologação.

O foco é facilitar a adoção de novas tecnologias, produtos e práticas que possibilitem a redução de custos, a sustentabilidade ambiental e a melhoria da qualidade das habitações. A ideia é que as inovações beneficiem o desenvolvimento do Programa Casa Verde e Amarela.