Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.707,76
    +195,38 (+0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.734,04
    -67,64 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,90
    -0,21 (-0,24%)
     
  • OURO

    1.781,20
    +4,50 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    23.452,96
    -592,73 (-2,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    557,96
    -14,85 (-2,59%)
     
  • S&P500

    4.274,04
    -31,16 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    33.980,32
    -171,69 (-0,50%)
     
  • FTSE

    7.515,75
    -20,31 (-0,27%)
     
  • HANG SENG

    19.991,94
    +69,49 (+0,35%)
     
  • NIKKEI

    28.953,42
    -269,35 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.468,25
    -25,00 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2651
    +0,0059 (+0,11%)
     

Leilão de linhas de transmissão atrai R$ 15,3 bilhões em investimentos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O governo concedeu nesta quinta-feira (30) a construção e operação de 5.400 quilômetros de linhas de transmissão de energia no país, com investimentos estimados em R$ 15,3 bilhões. Os projetos estão divididos em 13 concessões e foram arrematados com deságio médio de 46,6%.

Os empreendimentos estão localizados em 13 estados: Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará e Rondônia. A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) estima que as obras vão gerar 31,6 mil empregos.

Os três maiores lotes terão a função de reforçar o sistema de transmissão para o escoamento de energias renováveis geradas no Nordeste e no norte de Minas Gerais, hoje um dos principais gargalos do setor elétrico brasileiro.

Outro lote oferecido nesta quinta reforça o abastecimento de energia ao Amapá, que sofreu grandes cortes no fornecimento nos últimos anos. No maior deles, em 2020, a maior parte do estado ficou quase um mês convivendo com interrupções.

A linha vai ligar Laranjal do Jari a Macapá, servindo como backup para o sistema responsável pela interligação do estado com o resto do país atualmente. Foi desenvolvida após os apagões, justamente para evitar a repetição do problema.

"Esse leilão traz solução para algumas áreas que vêm sendo discutidas há muito tempo no Brasil, como o norte de Minas Gerais. Isso viabiliza uma quantidade muito grande de empreendimentos, principalmente em energia renovável", disse o diretor da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), Hélvio Guerra.

Em leilões de linhas de transmissão, vence a concorrência a empresa ou consórcio que se dispuser a receber a menor receita anual durante a concessão. Houve grande disputa pelos maiores lotes oferecidos pela Aneel.

O maior deles, com 1.700 quilômetros de extensão ligando Minas Gerais a São Paulo e investimentos previstos em R$ 4,9 bilhões, ficou com a Neoenergia. O lote teve oito concorrentes e, após disputa por viva-voz, a proposta vencedora teve deságio de 47,3%.

Os outros dois grandes lotes, com investimentos de R$ 3,6 bilhões cada, foram arrematados pelo Consórcio Verde e pela Cteep (Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista).

O primeiro construirá 1.200 quilômetros de linhas de transmissão e subestações também em Minas Gerais e São Paulo. A segunda levou concessão para operar 1.100 quilômetros e subestações em Minas Gerais e no Espírito Santo.

"O sucesso desse leilão só é possível porque hoje temos um ambiente seguro e atrativo para investimentos no setor elétrico", disse a diretora-geral substituta da Aneel, Camila Bomfim. "Um ambiente que foi construído ao longo de tantos anos, com base em uma governança bem estruturada, segurança jurídica, estabilidade e previsibilidade regulatória."

Após o leilão, o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, afirmou que o resultado demonstra a confiança do setor empresarial no país, resultado de "uma gestão competente do presidente [Jair] Bolsonaro ao escolher bons ministros e indicar membros de agência [reguladora] comprometidos."

Em seu discurso, ele disse que "tem que enaltecer o papel" do ex-ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque, demitido por Bolsonaro após reajuste no preço do diesel em maio, e afirmou que o novo titular da pasta Adolfo Sachsida "tem a confiança" do presidente. Sachsida não compareceu ao evento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos