Mercado fechará em 48 mins
  • BOVESPA

    108.544,07
    +167,72 (+0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.600,80
    +594,69 (+1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,04
    +3,54 (+4,51%)
     
  • OURO

    1.670,50
    +34,30 (+2,10%)
     
  • BTC-USD

    19.556,59
    +423,01 (+2,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,88
    +17,10 (+3,99%)
     
  • S&P500

    3.723,41
    +76,12 (+2,09%)
     
  • DOW JONES

    29.712,76
    +577,77 (+1,98%)
     
  • FTSE

    7.005,39
    +20,80 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    17.250,88
    -609,43 (-3,41%)
     
  • NIKKEI

    26.173,98
    -397,89 (-1,50%)
     
  • NASDAQ

    11.535,00
    +201,25 (+1,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2022
    +0,0423 (+0,82%)
     

Inteligência artificial pode ter sentimentos em até 10 anos, diz executivo

Segundo executivo, inteligência artificial poderá ter sentimentos em até 10 anos. Foto: Getty Images.
Segundo executivo, inteligência artificial poderá ter sentimentos em até 10 anos. Foto: Getty Images.
  • Daniel Garbuglio, vice-presidente para América Latina da H2O.ai, alega que inteligência artificial poderá ter sentimentos em até dez anos;

  • O executivo participou do evento de inovação Viasoft Connecti, em Curitiba, na última sexta-feira (24);

  • Ele afirma que a tecnologia já avança na direção de replicar formas mais subjetivas de tomada de decisão.

Uma das dúvidas que permeiam o imaginário coletivo ao se falar de inteligência artificial e robôs é saber se, em algum dia, ambos poderão ter sentimentos.

Para Daniel Garbuglio, vice-presidente para América Latina da H2O.ai, que participou do evento de inovação Viasoft Connect, em Curitiba, na última sexta-feira (24), essa sensação estará presente nos sistemas de IA em até dez anos.

Leia também:

“Para que a gente precisa de máquinas que têm sentimento? Isso é um caminho que está se convergindo em futuro de cinco a dez anos”, indagou ele na ocasião.

Segundo Garbuglio, as inteligências artificiais atuais são baseadas em algoritmos, ou seja, oferecem respostas com fundamento em dados e cálculos.

Contudo, ele alega que a tecnologia já se encaminha para a replicação de formas mais subjetivas de tomada de decisão.

“O modelo [atual] trabalha em cima de um modelo matemático e pronto. O que estão fazendo, e não quer dizer que eu concorde com isso, a ideia é que a máquina comece a tomar decisões por ela própria, mas não baseada no algoritmo, baseada em um outro modelo que é o que o cérebro faz hoje”, disse ele para a Agência Brasil.

Garbuglio diz que esse futuro próximo trará discussões e questões importantes sobre sentimentos bons ou ruins, identificação e influências na decisão humana.