Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,96
    -0,45 (-0,59%)
     
  • OURO

    1.927,00
    -15,80 (-0,81%)
     
  • BTC-USD

    23.487,32
    -241,32 (-1,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    541,21
    -4,11 (-0,75%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.820,16
    +59,05 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    21.958,36
    -113,82 (-0,52%)
     
  • NIKKEI

    27.402,05
    +55,17 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    12.676,75
    +262,50 (+2,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4908
    -0,0636 (-1,15%)
     

Inteligência artificial escreve tese acadêmica sobre si mesma

Cientista fez com que sistema de inteligência artificial escrevesse artigo acadêmico sobre si mesmo. Foto: Getty Images.
Cientista fez com que sistema de inteligência artificial escrevesse artigo acadêmico sobre si mesmo. Foto: Getty Images.
  • Pesquisadora comandou um algoritmo de geração de texto para escrever uma tese acadêmica sobre si mesmo;

  • O resultado foi um artigo escrito em duas horas com citações adequadas e contextos apropriados;

  • Os pesquisadores disseram que há possibilidade do sistema de IA se tornar autoconsciente.

Será que no futuro robôs conseguirão escrever romances e novelas? Por enquanto, algoritmos já conseguem escrever artigos acadêmicos sobre si mesmos com pouca ou nenhuma interferência externa.

Em um texto publicado na revista Scientific American, a pesquisadora sueca Almira Osmanovic Thunstrom descreveu o processo como um “simples experimento”. Ela comandou o algoritmo de geração de texto GPT-3, da OpenAI, para escrever uma tese acadêmica de 500 palavras sobre si próprio.

Thunstrom afirmou que ficou surpresa ao receber um artigo escrito em apenas duas horas, com citações e contextos apropriados.

Leia também:

“Quando começou a gerar texto, eu fiquei maravilhada. Aqui estava um novo conteúdo escrito em linguagem acadêmica, com referências bem fundamentadas e citadas nos lugares certos e no contexto certo”, disse a pesquisadora.

“Descobrimos que o GPT-3 pode gerar descrições claras e concisas de suas próprias capacidades e recursos. Este é um avanço significativo em relação aos sistemas anteriores, que muitas vezes lutaram para produzir um texto coerente sobre si mesmos”, escreveram os autores do artigo acadêmico, incluindo o próprio algoritmo.

Sobre os possíveis riscos de permitir que sistemas de inteligência artificial escrevam textos sobre si próprios, os pesquisadores comentaram sobre a capacidade de se tornarem autoconscientes.

“Uma preocupação é que o GPT-3 possa se tornar autoconsciente e começar a agir de maneiras que não são benéficas para os seres humanos (por exemplo, desenvolver o desejo de dominar o mundo)” disseram os cientistas no texto que ainda será revisado por seus pares.

Contudo, eles alegaram que o experimento permitiu trazer mais luz sobre o funcionamento do GPT-3, podendo ser útil a cientistas futuramente.

Os pesquisadores também alertaram para a necessidade de monitoração dessa escrita acadêmica, buscando “diminuir potenciais consequências negativas”.

*Com informações do The Independent.