Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.574,19
    +42,56 (+0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

HQ prova por que o Deadpool está mais perto de ser vilão do que herói na Marvel

A popularização do Deadpool nos últimos anos fez com que muitos enxergassem o personagem da Marvel como o principal representante do humor da editora. Só que o anti-herói, na verdade, é bem mais violento e sem escrúpulos do que sua popular imagem atual realmente mostra, conforme narrado em algumas histórias em quadrinhos.

A verdadeira natureza de Wade Wilson é exemplificada na série Despicable Deadpool, quando durante um arco, para pagar seu débito com o vilão Conflyto após o mesmo ter salvo sua filha, Ellie, de um vírus mortal, o anti-herói da Marvel é obrigado a matar quatro pessoas escolhidas pelo antagonista.

O primeiro alvo que Conflyto escolheu foi Cable, seu principal inimigo. Deadpool realiza o pedido, aproveitando que o vilão não havia especificado qual versão do herói mutante deveria ser assassinada, viajando no tempo e matando o filho de Scott Summers na sua velhice.

Conflyto, então, passa os próximo três alvos para o Deadpool em Despicable Deadpool #295: Irene Merryweather, repórter do Clarim Diário e amiga de Cable, Kid Genesis, um jovem mutante que é um clone do Apocalipse e que Wilson se aproximou muito durante a revista Fabulosa X-Force, e Marietta Nelson, uma mulher inocente e sem conexões com o universo heroico da Marvel.

<em>Deadpoll mata uma das mulheres alvo de Stryfe. (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)</em>
Deadpoll mata uma das mulheres alvo de Stryfe. (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

Deadpool mata as duas mulheres, e cria todo um plano para manter Kid Genesis vivo, a partir de uma injeção não letal que simula a morte do jovem — fato que exemplifica quem é Wade Wilson. Ele é fiel e protege seus aliados, sem dúvidas, mas em uma situação em que inocentes foram mortos, ele em nenhum momento pensou que poderia utilizar o mesmo método que salvou seu amigo com Irene Merryweather ou com Marietta Nelson.

Esse momento serve como um dos principais exemplos do que muitos roteiristas interpretam como o código moral do Deadpool: ele não protege ou salva pessoas por heroísmo, mas sim por motivos, digamos, "menos nobres" e mais egoístas, mesmo sendo por lealdade a seus outros colegas. Isso também foi explorado na saga Império Secreto, quando o Capitão América, na época um soldado da Hidra, pediu para que Wade matasse o agente da SHIELD Phil Coulson — pedido que o mercenário aceitou sem questionar o Sentinela da Liberdade.

No fim, o engraçado Deadpool acaba ficando bem longe dos campeões da Marvel em termos de heroísmo, tornando-se uma sombra do que se espera de heróis nesse universo — embora isso não afete sua popularidade no mundo real, principalmente se levarmos em conta as opiniões dos filmes do mercenário.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: