Mercado abrirá em 3 h 19 min
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,00 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,96 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,29
    -0,45 (-0,57%)
     
  • OURO

    1.653,20
    -2,40 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    19.160,55
    +86,99 (+0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,57
    -5,96 (-1,34%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,29 (-1,62%)
     
  • FTSE

    6.995,72
    -22,88 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.331,75
    -45,00 (-0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0738
    -0,0238 (-0,47%)
     

Google quer banir o Tinder da Play Store

Retirada do Tinder e outros aplicativos de relacionamento pode vir como resultado de disputas judiciais (Jakub Porzycki/NurPhoto via Getty Images)
Retirada do Tinder e outros aplicativos de relacionamento pode vir como resultado de disputas judiciais (Jakub Porzycki/NurPhoto via Getty Images)
  • Retirada do aplicativo pode vir como consequência de uma disputa judicial entre as duas empresas;

  • Match Group, dona do Tinder, acusa o Google de práticas monopolistas;

  • Apple e Google ficam com 15% a 30% de cada transação feita nos aplicativos baixados em suas lojas.

O Google quer retirar os aplicativos do Match Group, desenvolvedora de redes sociais de relacionamentos, da Play Store em meio a um processo envolvendo as duas empresas. Dentre os aplicativos afetados estão o Tinder, OkCupid e Hinge.

A gigante americana da tecnologia está processando a Match sob alegações de que a empresa está tentando "ganhar vantagem injusta sobre outros desenvolvedores de aplicativos" ao não pagar nada para ter seus aplicativos disponibilizados na Google Play Store. Como resultado do processo, a Match pode ter de pagar danos monetários ao Google, além de poder ser expulsa permanentemente da loja virtual.

O processo do Google foi lançado apenas dois meses depois que o próprio Match Group entrou com seu processo contra o Google, em que acusa a Play Store de práticas monopolistas por receber uma porcentagem das compras realizadas no aplicativo.

Em seu processo, o Match Group quer isentar seus aplicativos de terem que utilizar exclusivamente o processador de pagamento do Google, afirmando que as taxas são "exorbitantes". No Android os usuários podem instalar aplicativos "burlando" a Play Store, ao baixar diretamente o arquivo APK da internet, porém a prática é desaconselhada pelo Google.

Atualmente tanto a Google, quanto a Apple, ficam com uma fatia de 15% a 30% de cada transação realizada dentro dos aplicativos de sua loja. No passado, a Spotify e a Epic Games também entraram em disputas com o Google pelo mesmo motivo.

Em declaração, um porta-voz do Google afirmou à publicação americana Business Insider que: "O Match Group celebrou um contrato conosco e este processo visa manter o Match até o fim do acordo - estamos ansiosos para defender nosso caso. Enquanto isso, continuaremos a defender-nos contra as alegações infundadas de Match."