Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.005,22
    +758,07 (+0,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.289,91
    +895,88 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,44
    -0,77 (-0,69%)
     
  • OURO

    1.840,20
    -1,00 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    30.120,96
    +1.108,76 (+3,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    669,81
    +17,58 (+2,69%)
     
  • S&P500

    3.900,79
    -22,89 (-0,58%)
     
  • DOW JONES

    31.253,13
    -236,94 (-0,75%)
     
  • FTSE

    7.302,74
    -135,35 (-1,82%)
     
  • HANG SENG

    20.120,68
    -523,60 (-2,54%)
     
  • NIKKEI

    26.402,84
    -508,36 (-1,89%)
     
  • NASDAQ

    11.916,00
    +37,75 (+0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2188
    +0,0005 (+0,01%)
     

Frigorífico uruguaio aposta em carne bovina neutra em carbono

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- O frigorífico uruguaio da japonesa NH Foods quer que um quinto do gado que processa venha com selo de neutralidade de carbono até 2025, em uma aposta que consumidores mais ricos pagarão mais por alimentos com credenciais de sustentabilidade.

A BPU Meat já envia carne bovina neutra em carbono para supermercados no Japão e no Uruguai, bem como para a cadeia de restaurantes Block House da Alemanha, desde março. A empresa espera processar 15.000 bovinos certificados até o segundo trimestre de 2023 e pelo menos 30.000 dentro de três anos por meio de um acordo com uma empresa florestal, disse Daniel de Mattos, conselheiro sênior da diretoria da BPU.

“Temos que ter uma grande oferta de gado com essas características para viabilizar isso comercialmente.” De Mattos disse em entrevista de Montevidéu. “Com esses números, estaríamos atendendo nichos de mercado muito importantes.”

Com o crescente escrutínio dos gases de efeito estufa em todo o mundo, a indústria de carne bovina começa a adotar a certificação de neutralidade de carbono – usando compensações, bem como práticas para reduzir as emissões de metano, reduzir o uso de água e energia e sequestro de carbono.

No Uruguai, a empresa pecuária Mosaica saiu na frente com o primeiro embarque de carne bovina com certificação da LSQA em dezembro, seguido pela BPU e uma unidade da brasileira Minerva este ano.

Sob um acordo entre a BPU e a fabricante de celulose Montes del Plata, a certificadora SGS valida que as emissões de gado de propriedade de mais de 300 pecuaristas participantes são compensadas por plantações florestais. O programa se encaixa com a meta da NH Foods de reduzir sua pegada de carbono em 40% até 2030, disse De Mattos.

Até agora, a carne bovina neutra em carbono alcança preços semelhantes aos de outros produtos premium da BPU. De Mattos está otimista que a certificação compensará com preços mais altos e acesso a compradores mais ricos à medida que o mercado amadurece. A certificação neutra em carbono pode se tornar outro ponto de venda para a carne bovina uruguaia que já é comercializada como livre de hormônios, rastreável e em grande parte alimentada em pasto.

O volume de exportação de carne bovina do Uruguai aumentou mais de 20% este ano, com alta de preços acima de 50%. De Mattos vê os preços se mantendo em níveis elevados, embora propensos a volatilidade nos próximos meses. Os preços instáveis da carne e o aumento nos custos de insumos devido à guerra na Ucrânia podem estimular os pecuaristas locais a criar menos gado.

“Estamos observando essas coisas com muita preocupação”, disse De Mattos. “Até agora, os sinais de uma desaceleração não foram vistos.”

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos