Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.289,55
    +913,92 (+1,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

FMI vê incerteza em torno de políticas econômicas argentinas, diz autoridade

Rodrigo Campos
·3 minuto de leitura
Alejandro Werner, chefe do FMI para o Hemisfério Ocidental

Por Rodrigo Campos

NOVA YORK (Reuters) - Ainda há muita incerteza sobre o caminho da política econômica da Argentina para tornar a dívida do país sustentável, disse uma autoridade do Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta quinta-feira.

"Sempre há pelo menos duas etapas para qualquer reestruturação. Uma é como você altera os termos de seus contratos de dívida, a outra é como você altera suas políticas para tornar a nova dívida sustentável. E acho que essa segunda etapa é onde temos um muita incerteza", disse Alejandro Werner, chefe do FMI para o Hemisfério Ocidental.

A Argentina e o FMI estão em negociações para substituir um fracassado programa de 2018 pelo qual o país sul-americano deve ao Fundo cerca de 45 bilhões de dólares.

Inicialmente, o FMI e o governo esperavam um acordo entre abril e maio, mas ambos abandonaram qualquer referência a esse cronograma.

Investidores projetam que um acordo não será alcançado antes das eleições legislativas no fim de outubro, à medida que a dívida externa argentina em dólar está sendo negociada em níveis problemáticos, cerca de 30 centavos por dólar.

"Estamos trabalhando para estarmos prontos na hora que o governo realmente quiser finalizá-lo e acelerá-lo. Acho que estamos em condições de fazê-lo, mas é verdade, é óbvio que as negociações têm se arrastado mais do que talvez pensássemos", disse Werner em um evento organizado pela S&P Global.

As negociações, ambos os lados disseram, continuam a ser "construtivas".

No fim do mês passado, o ministro da Economia, Martín Guzmán, disse que "passos importantes" foram dados para avançar com as negociações, dias depois de a vice-presidente do país, Cristina Fernández, dizer que a Argentina não tinha dinheiro para honrar seus compromissos com o FMI.

Werner reconheceu que o FMI vê uma divisão dentro governo argentino.

"Parece haver diferenças significativas de opinião entre os aliados políticos do presidente (Alberto) Fernández sobre a direção que devem seguir, tanto em termos de política quanto em relação às negociações com o Fundo", disse.

O Ministério da Economia da Argentina não fez comentários, disse um porta-voz.

Alguns dos credores privados com os quais a Argentina fechou um acordo de reestruturação no ano passado têm reclamado da lentidão das negociações, de como o acordo se tornou uma questão política e da falta de uma política econômica clara do governo.

"Em ano eleitoral, que agora também passa a ser um período em que o ambiente externo é favorável às contas financeiras da Argentina... há uma interpretação do nosso lado de que talvez o governo sinta que (será) muito melhor empreender esta negociação política depois das eleições do que antes", afirmou Werner.

A Argentina está lutando contra uma segunda onda de infecções por Covid-19, com número recorde de novos casos nos últimos dias, embora o governo esteja procurando evitar lockdowns generalizados para blindar a recuperação econômica que ainda está em estágio inicial.

Também há preocupações de que a inflação já elevada possa aumentar ainda mais, apesar das esperanças do governo de conter os preços, o que afetaria o crescimento econômico.

(Reportagem de Rodrigo Campos; reportagem adicional de Eliana Raszewski em Buenos Aires)