Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.005,22
    +758,07 (+0,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.289,91
    +895,88 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,65
    +2,06 (+1,88%)
     
  • OURO

    1.840,30
    +24,40 (+1,34%)
     
  • BTC-USD

    30.256,05
    +1.119,62 (+3,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    669,81
    +17,58 (+2,69%)
     
  • S&P500

    3.900,79
    -22,89 (-0,58%)
     
  • DOW JONES

    31.253,13
    -236,94 (-0,75%)
     
  • FTSE

    7.302,74
    -135,35 (-1,82%)
     
  • HANG SENG

    20.120,68
    -523,60 (-2,54%)
     
  • NIKKEI

    26.402,84
    -508,36 (-1,89%)
     
  • NASDAQ

    11.898,25
    -37,25 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2188
    +0,0005 (+0,01%)
     

EUA pedem que redes sociais "guardem provas" de possíveis crimes da Rússia

Ideia é que conteúdos publicados nas redes sociais sejam usados como provas de potenciais crimes de guerra
Ideia é que conteúdos publicados nas redes sociais sejam usados como provas de potenciais crimes de guerra
  • Países estão em guerra desde fevereiro deste ano;

  • Rússia é acusada de centenas de crimes de guerra;

  • Moscou nega as afirmações e diz que busca desarmar o país vizinho.

Membros do congresso dos Estados Unidos enviaram uma carta aos CEOs das plataformas YouTube, TikTok, Twitter e Meta pedindo para que empresas "preservem e arquivem" potenciais provas de crimes de guerra cometidos pelas forças russas na Ucrânia. Os países estão em guerra desde fevereiro deste ano.

A carta foi assinada pelos representantes democratas Carolyn Maloney, Gregory Meeks, Stephen Lynch e William Keating, que pedem para que os gigantes das redes sociais "sinalizem e arquivem conteúdos com potenciais crimes de guerra". As informações foram reveladas pelo canal norte-americano NBC News.

“As plataformas de redes sociais eliminam frequentemente conteúdos gráficos que glorificam violência ou sofrimento humano, ou que possam levar a mais violência, e têm o direito de implementar medidas para proteger os seus usuários”, diz o documento.

A carta continua, afirmando que eliminar este tipo de publicações poderá “levar à remoção intencional e permanente de conteúdos que podem ser usados como provas de potenciais violações de direitos humanos, como é o caso de crimes de guerra, crimes contra a humanidade, e genocídio”, complementa a nota.

O documento justifica ainda que, caso a veracidade dos conteúdos seja confirmada, estes poderão “ajudar a substanciar as alegações de crimes de guerra e de outras atrocidades cometidas pelas forças russas na Ucrânia contra o povo ucraniano”.

Acusações contra a Rússia

A Rússia chama suas ações na Ucrânia de “operação especial” para desarmar o país e protegê-lo dos fascistas, negando que suas forças cometeram abusos. Entretanto, o país vizinho diz que identificou mais de 10.000 possíveis crimes de guerra.

Enquanto é acusada de atrocidades e brutalidade contra civis, a Rússia nega mirar civis ou qualquer envolvimento em crimes de guerra e acusa Kiev de encená-los para difamar suas forças.

Michelle Bachelet, alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, disse na quinta-feira (12) que há muitos exemplos de possíveis crimes de guerra desde a invasão russa e que 1.000 corpos foram recuperados até agora na região de Kiev.

Nesta sexta-feira (13), um tribunal ucraniano começou a julgar o primeiro caso de crime de guerra decorrente da invasão da Rússia. O réu é um soldado russo capturado pelo assassinato de um civil de 62 anos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos