Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.005,22
    +758,07 (+0,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.289,91
    +895,88 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,65
    +2,06 (+1,88%)
     
  • OURO

    1.840,30
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    30.206,44
    +1.057,35 (+3,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    669,81
    +17,58 (+2,69%)
     
  • S&P500

    3.900,79
    -22,89 (-0,58%)
     
  • DOW JONES

    31.253,13
    -236,94 (-0,75%)
     
  • FTSE

    7.302,74
    -135,35 (-1,82%)
     
  • HANG SENG

    20.120,68
    -523,60 (-2,54%)
     
  • NIKKEI

    26.402,84
    -508,36 (-1,89%)
     
  • NASDAQ

    11.898,25
    -37,25 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2188
    +0,0005 (+0,01%)
     

Estados vão recorrer da decisão do STF sobre cobrança do ICMS no diesel

Foto: Reprodução/Waldemir Barreto/Agência Senado.
Foto: Reprodução/Waldemir Barreto/Agência Senado.
  • O Comsefaz vai recorrer da decisão do ministro André Mendonça, do STF

  • Na última sexta, Mendonça suspendeu as políticas estaduais do ICMS sobre o óleo diesel;

  • O ministro deu um prazo de cinco dias para que Câmara, Senado e Conselho Nacional de Política Fazendária se manifestem

O Comitê Nacional de Secretários da Fazenda, Finanças, Receitas ou Tributação dos Estados e Distrito Federal (Comsefaz) decidiu recorrer da ordem do ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), de derrubar a decisão que definiu as alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que cada estado cobra sobre o diesel.

A informação foi divulgada por Décio Padilha, presidente do comitê e secretário da Fazenda de Pernambuco. A decisão de recorrer foi tomada durante reunião extraordinária do órgão que aconteceu virtualmente neste sábado (14).

Leia também:

A ordem de Mendonça foi tomada após pedido do governo Jair Bolsonaro por meio da Advocacia-Geral da União (AGU), que questionou o desrespeito à lei que impôs uma alíquota única do imposto para todos os estados.

De acordo com o presidente do Comsefaz, o órgão pretende recorrer através das procuradorias estaduais.

"Fizemos uma avaliação técnico-jurídica. Nessa avaliação identificamos que o comitê nacional de secretários, apesar de respeitar toda a decisão judicial, cumprir decisões judiciais, a gente vai recorrer", disse Padilha.

Segundo ele, “todos os requisitos da lei complementar 192 foram cumpridos”. O presidente do Comsefaz ainda não divulgou a data em que o recurso será apresentado ao STF.

O ministro Mendonça abriu cinco dias de prazo para que a Câmara, o Senado e o Confaz se expressem sobre o tema. Depois, Procuradoria-Geral da República (PGR) e a AGU terão um tempo similar para se manifestar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos