Mercado fechará em 3 h 40 min
  • BOVESPA

    121.958,85
    +49,82 (+0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.289,47
    -577,68 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,98
    +0,06 (+0,09%)
     
  • OURO

    1.835,30
    -2,30 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    56.381,85
    -1.735,25 (-2,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.504,46
    +1.261,78 (+519,94%)
     
  • S&P500

    4.150,36
    -38,07 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.265,52
    -477,30 (-1,37%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.013,81
    -581,89 (-2,03%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.330,25
    -26,50 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3511
    +0,0109 (+0,17%)
     

Epic Games gastou US$ 11,6 milhões em jogos grátis e ganhou 5 milhões de novos usuários em troca

Arthur Henrique
·3 minuto de leitura
Epic Games gastou US$ 11,6 milhões em jogos grátis e ganhou 5 milhões de novos usuários em troca
Epic Games gastou US$ 11,6 milhões em jogos grátis e ganhou 5 milhões de novos usuários em troca

Um novo documento divulgado como parte da batalha na Justiça entre Epic Games e Apple revelou quanto a loja digital de games pagou aos desenvolvedores para dar seus jogos de forma gratuita aos usuários. O relatório cobre os 38 títulos distribuídos sem custo entre dezembro de 2018 e setembro do ano seguinte.

Durante o período, a Epic pagou mais de US$ 11,6 milhões (cerca de R$ 63 milhões) pelos jogos. E em troca, quase cinco milhões de usuários se inscreveram na loja, o que significa que a Epic pagou US$ 2,37 (quase R$ 13) para cada novo cliente que se cadastrou neste período.

De acordo com Tim Sweeney, CEO da empresa, durante o início do julgamento na segunda-feira (3), o montante investido é o dinheiro que seria teoricamente recuperado se cada novo usuário comprasse apenas um jogo de US$ 20 (quase R$ 108), com base na comissão de 12 por cento que a Epic recebe em novas compras.

Leia mais:

Além dos dez meses cobertos no período, a Epic afirma que adquiriu um total de 18,5 milhões de novos usuários por meio de jogos gratuitos, e que apenas cerca de 7% deles, aproximadamente 1,3 milhão de pessoas, fizeram uma compra na loja.

Aos desenvolvedores, é pago uma taxa fixa para distribuir os jogos de graça, em vez de pagar por download. Porém, há uma grande variação entre o quanto a Epic pagou por cada título. Por exemplo: a empresa investiu US$ 1,5 milhão para disponibilizar a trilogia ‘Batman Arkham’, mas pagou muito menos por títulos independentes (indies), como ‘Super Meat Boy’ (US$ 50.000) e ‘Jackbox Party Pack’ (US$ 60.000).

Além de pagar para distribuir gratuitamente os jogos existentes, foi revelado que Epic também investiu para que games ainda não lançados fossem exclusivamente para sua loja. Um exemplo é o de ‘Borderlands 3’, de 2019: na época, a desenvolvedora Gearbox Software recebeu US$ 146 milhões por um acordo que incluía a exclusividade do jogo.

Epic Games Store desembolsou mais de US$ 11 milhões para dar jogos de graça. Imagem: Epic Games/Divulgação
Epic Games Store desembolsou mais de US$ 11 milhões para dar jogos de graça. Imagem: Epic Games/Divulgação

Com apenas 38 títulos listados, o documento cobre menos da metade dos mais de 100 jogos que a Epic distribuiu em sua loja desde 2018.

E mais: Sweeney afirmou, em testemunho, que a Epic Games Store não é lucrativa. Segundo ele, a loja está “centenas de milhões de dólares aquém de lucrar”, atribuindo a culpa aos custos iniciais para manter o serviço no mercado. Ele espera que a loja tenha lucro “dentro de três ou quatro anos”.

Epic Games x Apple

Logo da Apple ao lado do logo da Epic Games
Imagem: Ascannio/Shutterstock

O ponto central de todo o conflito entre Epic Games e a Apple é a taxa de 30% que a empresa do iPhone cobra sobre compras realizadas por usuários dentro de sua loja de apps. Para “driblar” o valor, a desenvolvedora de games estava oferecendo microtransações em um canal próprio, o que é terminantemente proibido pela “Maçã”.

O julgamento teve início no dia 4 de abril e irá prosseguir por um longo tempo, aparentemente. Entenda melhor toda a situação em nossa matéria especial sobre o assunto.

Fontes: The Verge e GamesIndustry.biz

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!