Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.005,22
    +758,07 (+0,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.289,91
    +895,88 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,65
    +2,06 (+1,88%)
     
  • OURO

    1.840,30
    +24,40 (+1,34%)
     
  • BTC-USD

    30.258,55
    +1.122,87 (+3,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    669,81
    +17,58 (+2,69%)
     
  • S&P500

    3.900,79
    -22,89 (-0,58%)
     
  • DOW JONES

    31.253,13
    -236,94 (-0,75%)
     
  • FTSE

    7.302,74
    -135,35 (-1,82%)
     
  • HANG SENG

    20.120,68
    -523,60 (-2,54%)
     
  • NIKKEI

    26.402,84
    -508,36 (-1,89%)
     
  • NASDAQ

    11.898,25
    -37,25 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2188
    +0,0005 (+0,01%)
     

Entenda por que frutas, verduras e legumes estão tão caros

Close-up shot of female hand putting a red bell pepper into a mesh grocery bag. Shopping with eco-friendly shopping bag for a sustainable lifestyle.
Cenoura é líder no aumento

(Getty Images)

  • Frutas, legumes, tubérculos e hortaliças são 18 dos 20 itens mais caros deste ano;

  • Cenoura é a vilã, com alta de 150%;

  • Chuvas de verão e aumento no diesel explicam o cenário de inflação.

Depois da alta das carnes, cujos preços dispararam em 2021, foi a vez de frutas, legumes, tubérculos e hortaliças pesarem no bolso do consumidor. Dos 20 itens que ficaram mais ‘salgados’ neste ano, 18 fazem parte destas categorias.

A informação foi divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta-feira (11) e não é difícil confirmá-la no dia a dia. O quilo da cenoura superou os R$ 12, sofrendo alta de 150%. Em seguida, aparecem o repolho (76%), a batata-inglesa e a abobrinha, ambas com 68% de aumento. As informações são do O Globo.

Mas o que explica essa alta nos preços?

As chuvas de verão, que todos os anos prejudicam as colheitas e, consequentemente, encarecem os alimentos, ganharam um companheiro a mais em 2022 para impactar os preços: o aumento do diesel.

Em meio aos reajustes aplicados pela Petrobras, o combustível teve alta média de 19% neste ano e apareceu na lista do IBGE ao lado dos hortigranjeiros. Com isso, o transporte ficou mais caro e o frete, que sempre foi um peso forte na composição dos preços, se tornou um novo vilão.

“Quanto mais barato o produto for, maior é o impacto do frete. No caso da cebola, que custa pouco e tem valor agregado pequeno, o valor do frete é grande”, explica André Braz, economista da FGV Ibre, ao O Globo.

Apesar das chuvas diminuírem nos próximos meses, a pressão do diesel não deve cessar tão cedo. Dessa forma, os alimentos até podem ficar mais baratos, mas dificilmente retornarão ao patamar de preços praticado no ano passado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos