Mercado abrirá em 9 h 38 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,41
    -0,14 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.787,10
    +27,20 (+1,55%)
     
  • BTC-USD

    17.134,77
    +200,23 (+1,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,25
    +5,56 (+1,39%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.926,27
    +329,04 (+1,77%)
     
  • NIKKEI

    28.259,86
    +290,87 (+1,04%)
     
  • NASDAQ

    12.046,75
    +4,50 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3965
    0,0000 (0,00%)
     

Entenda o projeto que permite bancos tomarem a casa de famílias

Entenda o projeto que permite bancos tomarem a casa de famíliasEntenda o projeto que permite bancos tomarem a casa de famílias (Photo by: Eduardo Justiniano/AGB Photo Library/Universal Images Group via Getty Images)
Entenda o projeto que permite bancos tomarem a casa de famílias (Photo by: Eduardo Justiniano/AGB Photo Library/Universal Images Group via Getty Images)
  • A Câmara dos Deputados aprovou o projeto nesta quarta-feira (1º)

  • O texto prevê que devedores tenham o imóvel penhorado se tiver sido usado como garantia em empréstimo;

  • O governo justificou que a medida pretende baratear o crédito;

Sob o pretexto de baratear o crédito, a Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (1º) um projeto de lei que permite que, para quitar as dívidas de empréstimo, bancos e instituições financeiras penhorem os imóveis utilizados como garantia. A ideia foi apresentada pelo governo de Jair Bolsonaro (PL) para permitir o uso de um imóvel como garantia para mais de um empréstimo.

Na legislação atual, O imóvel familiar só pode ser como garantia do próprio imóvel, sendo impenhorável salvo em caso de descumprimento do financiamento imobiliário, neste caso, podendo ser leiloado. Para casos outros é necessário recorrer à decisão judicial.

O texto do projeto permite que um único imóvel possa ser usado como garantia de um número limitados de empréstimos. Mas ao mesmo tempo, autoriza que outros bancos possam penhorar o que for oferecido como garantia, algo que antes era exclusivo da Caixa Econômica Federal.

Diante das críticas à medida, o governo justificou que essa seria uma maneira de facilitar o uso das garantias de crédito, reduzir custos e juros de financiamento e aumentar a concorrência entre os bancos.

Para controlar a atividade, o governo também cria as Instituições Gestoras de Garantia (IGGs), para que estas avaliem os bens apresentados por uma pessoa ou empresa e diga quanto poderá ser usado como garantia de empréstimo.

De acordo com a medida, juros e prazos relacionados à garantia poderão ser discutidos com diferentes bancos. Desta forma, para ser ser penhorada, a casa necessariamente ser especificada como garantia e o empréstimo ao qual foi relacionada não for pago mediante ao que foi discutido previamente com ao conjunto de bancos a que a dívida está atrelada.

O projeto não foi unanimidade dentro da Câmara

Apesar da maioria dos deputados que votou a favor seguir a linha do relator do projeto, o deputado João Maia (PL-RN), que afirmou que: “A proposição zela pela coerência porque não se deve proteger alguém que oferece imóvel em garantia e, diante do descumprimento de obrigações garantidas, alega a impenhorabilidade do seu bem”. Nem todos os parlamentares da Casa concordam com a opinião.

É o caso do deputado Afonso Motta (PDT-RS), que acredita que a impenhorabilidade do bem de família é essencial.

“A impenhorabilidade do bem de família é fundamental, principalmente para aqueles que são mais desprovidos. É um instituto consagrado universalmente”, declarou.

O deputado Enio Verri (PT-PR) foi mais incisivo ao afirmar que a proposta vai gerar pobreza ao autorizar a perda do único bem de família. “Imagina um pai de família que perde o emprego, não consegue pagar as suas contas, tem alguma operação de crédito com garantia da casa. Ele pode ter a casa leiloada, o único bem de família que ele tem”, criticou.