Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.565,62
    +163,34 (+0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.219,37
    -135,49 (-0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,60
    -0,16 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.810,90
    +5,70 (+0,32%)
     
  • BTC-USD

    23.098,42
    -834,45 (-3,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    536,30
    -21,05 (-3,78%)
     
  • S&P500

    4.122,47
    -17,59 (-0,42%)
     
  • DOW JONES

    32.774,41
    -58,13 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.488,15
    +5,78 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    20.003,44
    -42,33 (-0,21%)
     
  • NIKKEI

    27.999,96
    -175,94 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    13.048,75
    -134,50 (-1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2372
    -0,0294 (-0,56%)
     

Ecossistema do metaverso deve movimentar R$ 4 trilhões até 2024

Expectativa é que o metaverso também faça com que novas profissões surjam. (Tingshu Wang/Reuters)
Expectativa é que o metaverso também faça com que novas profissões surjam. (Tingshu Wang/Reuters)
  • Interações digitais podem evoluir com a combinação de tecnologias;

  • Diversas empresas já investem milhões no metaverso;

  • Zuckerberg é um grande entusiasta das novas possibilidades.

Os segmentos que estão em volta do metaverso, como a realidade virtual, realidade aumentada, games, cloud e outros, devem movimentar mais de R$ 4 trilhões até 2024, de acordo com dados da Bloomberg Inteligence.

Após Mark Zuckerberg mudar o nome do grupo Facebook para Meta, referência direta ao metaverso, houve um aumento na procura sobre o que seria esse novo universo tech. O conglomerado de tecnologia e mídia social também investiu mais de R$ 770 milhões e contratou mais de 10 mil profissionais para a criação do seu ambiente virtual.

Além da Meta, a Nvidia anunciou em agosto o NVIDIA Omniverse, plataforma colaborativa de simulação, onde designers, artistas e outros profissionais podem trabalhar juntos na construção de metaversos. A Microsoft também entrou nesse universo com o Mesh, que permite a realização de reuniões com hologramas, além da criação de avatares para o Teams.

Empresas de vestuário como a Nike também entraram na onda. A empresa criou a Nikeland, uma plataforma dentro do game Roblox. Já em dezembro, a multinacional americana adquiriu uma startup especializada em NFTs de moda.

A grife de luxo Gucci vendeu a versão digital da bolsa Dionysus no jogo Roblox por R$ 21 mil, preço maior que a versão física do produto.

Até mesmo o Banco do Brasil entrou na “onda”, e lançou no final de 2021 uma experiência virtual dentro do servidor do game GTA, onde o jogador pode abrir na instituição bancária uma conta para seu personagem – é possível até trabalhar como abastecedor de caixa.

A expectativa é que o metaverso também faça com que novas profissões surjam, entre elas estão: Mental Coach, Revendedor de NFT, Proprietário de Terra Virtual, Corretor Virtual, Gerente de Coleções e Organizador de Eventos.

Como funciona o metaverso?

O metaverso tem como objetivo criar uma espécie de internet tridimensional que permite a interação por meio de avatares, recriando as interações do mundo real. Tecnologias como realidade aumentada, criptomoedas e redes sociais atuariam de forma integrada neste universo utópico.

A ideia é que através dessas faces digitais os usuários possam trabalhar, realizar reuniões com amigos, fazer compras, estudar e viver inúmeras experiências que antes só eram possíveis em encontros presenciais.

No mundo virtual, os tokens não fungíveis, conhecidos como NFTs, são usados para provar a propriedade de itens digitais, concedendo acesso a diferentes plataformas. Com essa tecnologia é possível fazer diferentes transações no mundo virtual.

Apesar da potencialidade de mudar as interações online, o metaverso deverá ser apenas um complemento para a internet, não um substituto. A previsão é que ele evolua conforme os avanços tecnológicos ganhem mais adeptos.

Para que a mudança tecnológica ocorra, é necessário que mais pessoas tenha acesso a plataformas compatíveis e que os sinais de acesso sejam melhorados. O 4G, por exemplo, não é capaz de lidar com o fluxo de dados dessas interações.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos